Fonoaudiologia: Entenda tratamentos para o desenvolvimento de crianças com TEA

Especialista destaca benefícios da Análise do Comportamento Aplicada e uso de brinquedos nas terapias.

Avalie a matéria:
Fonoaudióloga Janaína Lopes em terapia com paciente. | Jéssica Dayane/ Portal MeioNews

O Transtorno do Espectro Autista (TEA) é um distúrbio do neurodesenvolvimento que afeta a maneira como as pessoas percebem e interagem com o mundo. Desde pequenos, aqueles que possuem TEA podem ter dificuldades com a comunicação social, comportamentos repetitivos e interesses restritos. Apesar de não haver cura para o TEA, a intervenção precoce pode auxiliar as pessoas com o transtorno a desenvolver suas habilidades e alcançar seu pleno potencial, explica a fonoaudióloga Janaína Lopes.

TRATAMENTOS

Segundo a fonoaudióloga, um dos tratamentos mais utilizados na atualidade é o ABA, que se refere ao termo em inglês Applied Behavior Analysis, conhecido como Análise do Comportamento Aplicada. “Tem sido comprovado cientificamente que está gerando efeitos positivos com as crianças com TEA. [...] Todas as especialidades estão utilizando”, afirma Janaína Lopes. Ela explica que é realizado um trabalho de desenvolvimento cognitivo da criança, focado na sua capacidade de aprender, absorver informações e responder aos desafios cotidianos.

“A gente trabalha na percepção visual, na auditiva e na criança como um todo, para o desenvolvimento dela”, afirma a fonoaudióloga. Através da observação e análise sistemática do comportamento do indivíduo, os profissionais da ABA identificam padrões e relações entre as ações e suas consequências. Com base nessas informações, são elaborados programas específicos para cada paciente.

“Quanto mais precocemente a gente intervir, mais cedo a criança vai se desenvolver.”

Janaína ainda ressalta outros tratamentos para as crianças, realizados em conjunto com neuropediatras. Os pacientes são acompanhados e, dependendo do diagnóstico, a cada seis meses ou três meses, eles apresentam o relatório dos terapeutas para o neuropediatra. Com base neste relatório de acompanhamento, o neuropediatra, se necessário, prescreve a medicação adequada.

“Vamos supor que um paciente esteja sob investigação; os neuropediatras irão fechar o diagnóstico da criança. Então, ele vai passar a medicação, dependendo se a criança tem picos de agressividade ou TDAH. Porque pode acontecer de a criança autista também ter TDAH. Eles prescrevem algum medicamento, como a risperidona, para ver se a criança mantém a concentração”, pontuou a profissional.

Uso de Brinquedos nas Terapias

Quebra-cabeças, bolas, jogos de tabuleiro e até bonecas e carrinhos fazem parte da terapia com a fonoaudióloga. Para ela, o uso desses recursos funciona como um estímulo para que as crianças com TEA aprendam novas formas de se comunicar e se expressar, além de fazer com que aqueles que se recusam a entrar na sala realizem a consulta de uma forma descontraída, porém eficaz.

“É o primeiro passo”, reforça a profissional. Conforme ela, dependendo do brinquedo utilizado, é possível trabalhar a percepção visual, a fala, o raciocínio lógico, entre outras habilidades. “Você tem que levar o recurso adequado”, acrescentou.



Participe de nossa comunidade no WhatsApp, clicando nesse link

Entre em nosso canal do Telegram, clique neste link

Baixe nosso app no Android, clique neste link

Baixe nosso app no Iphone, clique neste link


Veja Também
Tópicos
SEÇÕES