Rios do Piauí, Parnaíba e Poti, abrem série do Ministério do Turismo

Rios contemplam alguns dos maiores atrativos turísticos do estado, como os Cânions do Rio Poti e o Delta do Parnaíba, terceiro maior em mar aberto do mundo.

Avalie a matéria:
Delta do Parnaíba | Chico Rasta/MTur

“Risonha, entre dois rios que te abraçam”. Esse trecho do hino de Teresina (PI) descreve muito bem a capital piauiense. Única capital nordestina a não ser banhada pelo mar, a cidade tem no encontro dos rios Poti e Parnaíba um dos grandes atrativos turísticos do estado, sendo lugar de passagem obrigatória para quem visita. E lá será o ponto de partida para a série “Turismo nos Rios Brasileiros”, que fará ao longo desta semana uma viagem entre os principais afluentes do Brasil, apresentando as belezas naturais, culturais e históricas que cercam alguns dos maiores rios nacionais. Pegue o colete salva-vidas e embarque nessa!

Delta do Rio Parnaíba (Chico Rasta/MTur)

Conhecida como uma das cidades mais verdes do país, Teresina é composta por diversos espaços naturais, como o Parque Municipal do Encontro dos Rios. Além deste belo fenômeno da natureza, o turista que for ao local terá à disposição restaurante, trilhas, mirantes e áreas para a prática de esportes aquáticos. Na ponte estaiada João Isidoro França há um mirante que dá vista para toda a cidade e para o rio Poti. Lá também o turista poderá conhecer o artesanato piauiense, como o Polo Cerâmico e, claro, provar a Cajuína, bebida mais popular do Piauí, feita a base de caju.

Ainda às margens do Rio Poti, em Teresina, é possível visitar a única floresta fóssil do Brasil que fica numa área urbana, com itens datados há cerca de 280 a 270 milhões de ano. Nas Américas, os troncos fossilizados achados nessa floresta só são encontrados na capital piauiense e no Parque de Yellowstone, nos Estados Unidos. Ou seja, é imperdível.

Cânion do Rio Poti (Divulgação)

Cânions

Seguindo o curso das águas, chegamos aos Cânions do Rio Poti situado principalmente nos municípios de Buriti dos Montes, Castelo do Piauí e Juazeiro do Piauí. Além da paisagem exuberante (parada obrigatória para fotos), o local é indicado para prática de esportes de aventura como rapel, canoagem, ciclismo e trekking, figurando entre os mais radicais e belos roteiros ecoturísticos do Brasil. O turista pode realizar ainda trilhas ancestrais, visualizar inscrições rupestres e acompanhar a transição da vegetação entre a caatinga, o carrasco e o cerrado. Vale a pena conhecer!

Falar de rios piauienses e não citar o Parnaíba, é quase um pecado capital. O rio separa os estados do Piauí e do Maranhão e desagua no Oceano Atlântico em forma de delta (com cinco “braços” entre os dois estados) e dezenas de ilhas, dunas e muitas opções de passeios para conhecer as belezas naturais da região. O Delta do Rio Parnaíba é o único em mar aberto das Américas e o terceiro maior do mundo - atrás apenas dos rios Mekong (Vietnã) e Nilo (África). Possui 2.700 m² e 83 ilhas e ilhotas, mas com o passar dos anos e o movimento das águas o número varia. Assim, a cada visita os turistas encontram um novo cenário.

Os passeios de barco pelo Delta duram de três a quatro horas. Na mata e nos manguezais que acompanham o delta é possível ver exemplares da fauna da região – jacarés, iguanas, capivaras, tatus e até macacos, como o prego. Ainda é possível apreciar uma gastronomia marcada pelos sabores do sertão nordestino. As tradições regionais também se apresentam no artesanato e demais manifestações culturais. O Delta do Parnaíba, juntamente com Jericoacoara (CE) e os Lençóis Maranhenses (MA), faz parte da Rota das Emoçõesum roteiro integrado que, como diz o nome, é pura adrenalina.

Teresina entre rios 

Os rios também foram personagens principais de um evento que fomentou as práticas esportivas e culturais na capital piauiense e chamou a atenção dos teresinenses e turistas sobre a importância dos rios Poti e Parnaíba. De acordo com o idealizador da iniciativa, Luciano Uchôa, o projeto buscou trabalhar a sustentabilidade por meio do ecoturismo e do turismo de base comunitária, sendo inclusive indicado como finalista do Prêmio Braztoa de Sustentabilidade, apoiado pelo Ministério do Turismo.  

Turismo náutico 

A atividade é caracterizada pelo contato com a água - salgada ou doce – e está ligada à navegação, à prática de esportes aquáticos ou outras atividades realizadas na água. Outra característica importante é que, diferente de outros meios de transporte, as embarcações são os principais atrativos do turismo náutico, já que elas oferecem lazer e entretenimento, em vez de apenas deslocamento.

Com cerca de 8.500 quilômetros de litoral, 35 mil quilômetros de rios e canais navegáveis e mais 9.260 quilômetros de margens de reservatórios de água doce, lagos e lagoas, o Brasil apresenta um dos maiores potenciais de desenvolvimento do turismo náutico no mundo. (Por Victor Maciel/MTur)



Participe de nossa comunidade no WhatsApp, clicando nesse link

Entre em nosso canal do Telegram, clique neste link

Baixe nosso app no Android, clique neste link

Baixe nosso app no Iphone, clique neste link


Veja Também
Tópicos
SEÇÕES