Hepatite aguda em crianças não tem relação com vacinas, diz OMS

Mais de 200 casos foram reportados em 20 países; doença acomete sobretudo menores e pode exigir transplante

Avalie a matéria:
OMS | reprodução

A Organização Mundial da Saúde (OMS) informou, na terça-feira (10), que foram registrados 348 casos prováveis de uma misteriosa hepatite. O órgão investiga uma possível relação da infecção com um tipo de adenovírus, mas descarta a associação da doença com a vacina contra Covid-19.

Segundo a OMS, foram notificados casos em 20 países, com 70 casos adicionais de outros 13 países que estão pendentes de classificação, à espera da conclusão dos testes. Apenas seis países informam sobre mais de cinco casos, entre eles o Reino Unido, que registrou mais de 160.

Organização Mundial da Saúde (Foto: OMS)

Mais recentemente, o governo da Argentina confirmou o primeiro caso da hepatite grave de origem desconhecida em uma criança de oito anos, da cidade de Rosário, na província de Santa Fé. No Brasil, o Ministério da Saúde está investigando ao menos sete casos, ainda sem confirmação.

Sem relação com as vacinas

A Agência Nacional de Saúde do Reino Unido (UKHSA na sigla em inglês), que notificou os primeiros casos da doença, informou que dos 163 casos identificados até 3/5, a maioria de menores de cinco anos, 91 tiveram adenovírus detectado (72%) e 11 tiveram que fazer transplante de fígado. Mas nenhuma morte foi confirmada. 

Apesar de algumas vacinas contra a Covid-19 serem de vetores virais, com a utilização de adenovírus inativados, a OMS e a UKHSA descartaram qualquer relação da doença com a imunização contra Covid-19. Vale ressaltar que a CoronaVac, vacina do Butantan e da Sinovac, usa vírus inativado sem adenovírus em sua composição. 

“Com base nas informações atuais, a maioria das crianças relatadas com a hepatite aguda não recebeu a vacina contra Covid-19, descartando uma ligação entre os casos e a vacinação neste momento. Em alguns relatos, foi detectada a presença do vírus SARS-CoV-2, e esta é uma das linhas de investigação junto com outras, como o adenovírus”, descreveu a OMS em comunicado sobre o assunto. 

“Não há evidências de qualquer ligação com a vacina contra o coronavírus. A maioria dos casos são de crianças que têm menos de 5 anos e são jovens demais para receber a vacina”, informou a agência britânica. O SARS-CoV-2 foi detectado em 24 do total de casos relatados no Reino Unido.

Em comunicado, a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), braço da OMS na Américas e Caribe, afirmou que ainda há poucos dados para definir se há um surto, e por enquanto o risco global é considerado baixo. “Como ainda não há certeza sobre a origem da doença, é possível que estejamos tomando conhecimento de uma situação que existia antes, mas que passou despercebida porque havia poucos casos”, aponta a nota.

Veja Também
Tópicos
SEÇÕES