Masculinidade tóxica: psiquiatra explica prejuízos para homens

O machismo não apenas torna as mulheres vítimas de abusos, mas também deteriora a saúde física e mental dos homens

Avalie a matéria:
Psiquiatra explica que homens também sofrem com o machismo | Reprodução/Internet

O machismo estrutural não apenas torna as mulheres vítimas de abusos, mas também deteriora a saúde física e mental dos homens, por meio da masculinidade tóxica. Com expectativas projetadas para alcançarem um padrão, muitos se sentem na obrigação de se comportar da forma imposta pela sociedade. A Organização Mundial de Saúde aponta que 78% dos casos de autoextermínio tiveram homens como vítimas. Psiquiatra e professor de Medicina do Centro Universitário de Brasília (CEUB), Lucas Benevides aponta as implicações desse ideal masculino histórico, especialmente nos relacionamentos e na saúde emocional.

A masculinidade é uma construção social complexa e multifacetada, que pode variar com base em fatores como cultura, classe, raça, orientação sexual e outros. Para Lucas Benevides, muitos dos ideais tradicionais enfatizam força, independência e controle emocional que podem ser prejudiciais para os homens, quando tentam formar e manter relacionamentos saudáveis. Como traço cultural predominante, Benevides cita o modus operandi da resolução de conflitos, baseada na força e no uso da palavra como expressão de submissão. 

Isolamento emocional e relacional

Segundo Benevides, estes costumes somam às altas taxas de violência doméstica, feminicídio, encarceramento e suicídio. “Essa mentalidade muitas vezes inibe a expressão de vulnerabilidade e emoções consideradas femininas, como a necessidade de carinho, o desejo de segurança emocional, e a vontade de se conectar emocionalmente com outras pessoas. O estigma associado a essas supostas fraquezas pode levar ao isolamento emocional e relacional”, considera o especialista.

Com sérios danos à saúde mental e social dos homens, o professor do CEUB afirma que o machismo estrutural é devastador, uma vez que estes estereótipos sociais de gênero passam a ditar e restringir as maneiras como homens e mulheres podem se comportar e expressar suas emoções. “Para os homens, isso frequentemente se manifesta como uma pressão para ser forte e dominante, o que pode levar a atitudes e comportamentos tóxicos tanto em ambientes pessoais quanto profissionais”, alerta.

Combate à masculinidade tóxica

A masculinidade tóxica, que desencoraja a expressão de vulnerabilidade e a busca de ajuda, tem sérias implicações para a saúde mental, incluindo uma maior prevalência de ansiedade, depressão e outros distúrbios emocionais. Para combater estes males, grupos são formados para redefinir o que significa ser homem em sociedades ao redor do mundo. O professor de Medicina afirma que, aos poucos, as pessoas tem se tornado mais conscientes dessas questões e buscado formas mais saudáveis e igualitárias de viver e se relacionar.

Benevides explica ainda que a ideia de uma masculinidade tóxica faz parte do discurso popular e cada vez mais homens buscam formas saudáveis de expressar sua identidade masculina. “Isso inclui falar mais abertamente sobre saúde mental, participar mais igualitariamente nas responsabilidades domésticas e de cuidado, e questionar os papéis tradicionais de gênero em suas vidas pessoais e profissionais”, conclui o professor do CEUB.



Participe de nossa comunidade no WhatsApp, clicando nesse link

Entre em nosso canal do Telegram, clique neste link

Baixe nosso app no Android, clique neste link

Baixe nosso app no Iphone, clique neste link


Veja Também
Tópicos
SEÇÕES