Ministério da Saúde diz ter vacinas para 3ª dose de idosos em setembro

A ampliação da terceira dose para profissionais da saúde ainda não está definida, embora as chances também sejam grandes

Avalie a matéria:
Idosos podem receber 3ª dose em setembro | Divulgação

Diante da provável necessidade de uma terceira dose da vacina contra a Covid-19 para idosos e pessoas com problemas de imunidade, o Ministério da Saúde está se planejando para iniciar a aplicação em setembro. A secretária especial da Covid, Rosana Leite de Melo, afirmou que o governo já dispõe do quantitativo necessário para a imunização  desse público, que poderá receber uma vacina diferente da utilizada nas duas primeiras doses. 

A ampliação da terceira dose para profissionais da saúde, de acordo com ela, ainda não está definida, embora as chances também sejam grandes. Já a inclusão de toda a população adulta ainda vai depender dos resultados de estudos e também da disponibilidade de vacinas no mercado mundial.

Todos os adultos

O Ministério da Saúde contratou recentemente uma análise para direcionar a decisão de estender a terceira dose para todos os adultos. Para esse público, o intervalo entre a segunda e a terceira aplicação será de seis meses.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou estudos para dose de reforço com as vacinas da Pfizer e da AstraZeneca. A Janssen também sinalizou que deseja iniciar os estudos. NA quarta-feira (18), a diretoria do órgão aprovou uma recomendação para a aplicação da terceira dose da Coronavac em idosos e imunossuprimidos. Vetou, no entanto, a vacinação de crianças a partir de 3 anos.

Idosos receberão a terceira dose em setembro Foto: Cristine Rochol 

 Cerca de 600 milhões

A secretária lembrou que o governo tem garantidas cerca de 600 milhões de doses, já descontando as vacinas Covaxin e Sputnik V, cujos contratos serão rescindidos. Desse montante, quase a metade está prevista para chegar ao país entre setembro e dezembro, o que seria suficiente para dar a terceira dose a esse grupo prioritário.

Ela lembrou que boa parte das entregas previstas para o último quadrimestre são da vacina da Janssen, que é aplicada em dose única. De acordo com o cronograma da pasta, está prevista a chegada de 74 milhões de doses desse imunizante, o suficiente para vacinar completamente o mesmo número de pessoas.

Novas contratações

Uma eventual ampliação para todos os adultos, no entanto, dependeria de novas contratações. O ministério já abriu negociações com a Pfizer para um eventual aditivo, mas os volumes ainda não foram discutidos. Outra possibilidade era a compra da dose de reforço desenvolvida pela farmacêutica americana Moderna. Também havia uma expectativa para a utilização da Butanvac, vacina 100% nacional em desenvolvimento pelo Instituto Butantan.

As compras, no entanto, podem esbarrar na estratégia dos países mais ricos. Caso se decida pela aplicação da terceira dose nos Estados Unidos e na Europa, a oferta para as nações em desenvolvimento tende a cair, com maior dificuldade para obtenção das doses.  Recentemente, a Organização Mundial da Saúde (OMS) reforçou apelo para que a terceira dose só seja aplicada após os países mais pobres conseguirem dar ao menos a primeira dose.

Os montantes de vacinas devem sempre considerar o percentual de perdas, que costuma ser calculado na faixa de 5%. Segundo a secretária da Covid, o Programa Nacional de Imunizações (PNI) tem enviado por segurança um volume extra de 10% aos Estados, mas as perdas tem ficado abaixo desse patamar.



Participe de nossa comunidade no WhatsApp, clicando nesse link

Entre em nosso canal do Telegram, clique neste link

Baixe nosso app no Android, clique neste link

Baixe nosso app no Iphone, clique neste link


Veja Também
Tópicos
SEÇÕES