A assombrosa história de Jan Marsalek, o homem mais procurado do mundo

Ele é suspeito de envolvimento em atividades de espionagem em favor da Rússia. O austríaco Jan Marsalek desapareceu sem deixar nenhum vestígio

Avalie a matéria:
Cartazes divulgados sobre Jan Marsalek, o homem mais procurado do mundo | Google

Espião Russo: Nos anos 2020, o austríaco Jan Marsalek desapareceu sem deixar nenhum vestígio, durante a falência da empresa Wirecard, onde ele atuava como um dos administradores. Ele é suspeito de envolvimento em atividades de espionagem em favor da Rússia, alegação feita contra Jan Marsalek, de acordo com a semanal Der Spiegel, que estampou na capa a foto do ex-executivo com o título "Desmascarado". Segundo o Courrier International, a capa apresenta os diagramas utilizados por muitos detetives em séries policiais para elucidar suas investigações.

 Quem é Jan Marsalek?

Nascido em 1980, em Viena, na Áustria, Jan Marsalek abandonou a escola, antes de fundar a sua própria empresa no setor do comércio online. O avô de Hans Marsalek foi um combatente da resistência austríaca durante a Segunda Guerra Mundial, deportado durante esse período. Mais tarde, esteve ativo na perseguição de antigos nazistas. De acordo com o Le Monde, era suspeito de atividades de espionagem para o Bloco de Leste. Em 2000, Marsalek entrou para a Wirecard, uma startup alemã de pagamentos, e ascendeu para se tornar seu diretor operacional e um dos executivos mais influentes, a partir de 2010.

Escândalo Internacional: 

Um dos principais suspeitos do escândalo Wirecard, Jan Marsalek, procurado pela Interpol após a espetacular falência da empresa financeira em 2020, pode ser encontrado em Moscou, sob a vigilância dos serviços secretos russos, informou o diário alemão Bild segunda-feira. Localizado no início de 2021, este austríaco “teria se escondido em um bairro particularmente seguro de Moscou, onde talvez ainda viva (...) sob custódia dos serviços secretos de Putin, o FSB”, afirmou o jornal alemão.

Fraude de bilhões: 

A fraude custou aos bancos 3,1 bilhões de euros (3,4 bilhões de dólares) em empréstimos e reembolsos, de acordo com o comunicado dos promotores. O caso daquela empresa de pagamento eletrônico caiu no próprio governo alemão. Em 2020, o Ministério das Finanças, que era então chefiado pelo atual chanceler social-democrata Olaf Scholz, foi acusado de falta de fiscalização e teve de anunciar reformas à autoridade de supervisão financeira (BaFin), embora tenha assegurado que a agência agiu corretamente.




Participe de nossa comunidade no WhatsApp, clicando nesse link

Entre em nosso canal do Telegram, clique neste link

Baixe nosso app no Android, clique neste link

Baixe nosso app no Iphone, clique neste link


Tópicos
SEÇÕES