Delta do Parnaíba: O Safári Fluvial na Rota das Emoções

O litoral entre os estados do Ceará, Piauí e Maranhão, conhecido como a Rota das Emoções, tem potencial em áreas como hospedagem de alto nível, gastronomia internacional, bons serviços e atrativos naturais. A série em homenagem ao Dia do Piauí chega ao Delta do Parnaíba e através das lentes de André Pessoa desvenda as belezas do litoral com imagens da modelo Tatielly Castro.

Avalie a matéria:
|

André Pessoa

Dia do Piauí

Crédito: André Pessoa

Estive três vezes no continente africano. Uma delas para conhecer a arqueologia do Egito, e outras duas na África do Sul. A primeira via Cidade do Cabo (Cape Town), onde fui fotografar pinturas rupestres no deserto de Kagga Kamma, na fronteira com a Namíbia, e outra vez pela metrópole de Joanesburgo passando por uma das capitais, Pretória, em direção ao norte para conhecer as reservas naturais com seus animais selvagens, as game reserve.

Estava num desses safáris em busca dos 5 maiores ou Big Five (leão, elefante, búfalo, leopardo e rinoceronte), quando o guia parou o jipe próximo de uma área cimentada, jogou um pouco de sal e começou a gritar: jorge, jorge... ao longe apareceu uma zebra. Não entendi nada! Só depois fui perceber que a maioria dessas reservas são privadas, áreas cercadas e controladas para o turismo e outros usos não tão nobres, como a caça esportiva.

O fato é que o turismo nas savanas africanas movimenta bilhões de dólares e, claro, ainda existem zonas verdadeiramente selvagens, onde os animais vivem livremente, mas são cada vez mais exclusivas e caras. Mesmo assim, milhares de brasileiros, inclusive piauienses, cruzam o Atlântico para realizar safáris, para ver animais "selvagens", que muitas vezes vivem em áreas com cercas elétricas.

Fiz essa introdução para ter argumentos e mostrar como o litoral entre os estados do Ceará, Piauí e Maranhão, conhecido também como a Rota das Emoções, tem potencial, tanto em áreas como hospedagem de alto nível, gastronomia internacional, bons serviços e atrativos naturais, como em áreas selvagens. O Safári Fluvial, nova modalidade de ecoturismo em prática no Delta do Parnaíba, é espetacular.

É isso que a nossa expedição, o terceiro capítulo em homenagem ao Dia do Piauí, oferece aos leitores do jornal Meio Norte ao desembarcar no litoral. Nas páginas 4 e 5 conheça um pouco do Safári Fluvial e das maravilhas ecológicas do Delta do Parnaíba emolduradas pela beleza plástica da modelo piauiense Tatielly Castro.

Delta do Parnaíba: O Safári Fluvial na Rota das Emoções

Nesta edição vamos fazer um passeio inédito, ainda pouco conhecido no Brasil, quase um mito no turismo do Nordeste. Um safári fluvial. Isso mesmo, como na África, mas com uma diferença fundamental: em vez da terra firme, vamos percorrer rios, mangues, riachos, praias, igarapés, ilhas e, claro, ver muita vida selvagem, uma miríade de animais silvestres em liberdade. 

No lugar dos jipes que levam para ver girafas e hipopótamos, prepare-se para embarcar numa pequena canoa caiçara e ver macacos-prego e guariba em ação. Enquanto o primeiro pula freneticamente na frente das lentes, tentando capturar os caranguejos ou qualquer outra forma de alimento, o segundo é tímido, só come folhas e frutos, fica a maior parte do dia dormindo na copa das árvores, mas pode surpreender com seus "gritos" que lembram sussurros.

Crédito: André Pessoa

A pequena embarcação conduzida por um nativo, continua lentamente pelo mangue cercado por um labirinto de raízes entrelaçadas e com vários metros de altura, criando paisagens surreais. Tucanos, papagaios, garças, mergulhões, jacarés, tamanduás, peixes que dão corridas na superfície da água, iguanas e quase como um encerramento do desfile de animais, imensas revoadas de guarás-vermelhos fecham o dia. Um êxtase de prazer, aventura e emoções. Talvez daí um dos ganchos para alavancar o turismo na região foi criar a Rota das Emoções.

“O passeio ainda praticamente desconhecido pelo trade turístico nacional, tem potencial de incrementar a economia local gerando emprego e renda de forma sustentável, garantindo a sobrevivência dos moradores locais e, talvez, o mais importante, garantindo a integridade natural do Delta do Parnaíba e seus diferentes ecossistemas associados”, explica o empreendedor e ambientalista Joaquim Vidal, mais conhecido como Joca.

O programa começa ao amanhecer. A bordo de uma potente lancha com todos os pré-requisitos de segurança e conforto, os aventureiros cruzam o balanço das águas do leitoso e caramelizado leito do rio Parnaíba do lado do Piauí e começam a percorrer seus afluentes já do lado esquerdo em território maranhense. Como um portal mágico os igarapés cercados por aningas (plantas típicas da região), se fecham e pequenas canoas de madeira surgem no horizonte.

Daí em diante os caiçaras poderiam perguntar: com emoção ou sem emoção? Caso alguém escolha sem emoção, será necessário cancelar o passeio. Como relatado, a emoção é inevitável, marcante, única. Depois de tanta explosão de vida é hora do almoço. Mas como se estamos em pleno Delta? A lancha segue fazendo zigue-zague para desviar das ondas até uma ilha próxima.

Quem nos recebe é seu Oswaldo, um caiçara que nasceu na região, migrou para São Paulo e voltou para a "sua" ilha. Os mesmos frutos do mar que ele catava, coletava e pescava na infância hoje saem fumaçando, exalando sabor da sua cozinha e deixam os gringos extasiados. 90% dos seus clientes são do exterior. Os outros 10% são de brasileiros, entre eles os piauienses. A siesta ou descanso num dos quartos ou redes da rústica e confortável pousada da ilha recarrega as energias para o turno da tarde. 

Logo a lancha volta a cortar rios de águas escuras com florestas imensas e verdejantes nas suas margens. Um cenário muito parecido com a Amazônia. De repente as cores mudam. Dunas de areia branquinha começam a ganhar cores amareladas. Lagoas, praias isoladas e igarapés completam o ambiente. No final da tarde, quase ao anoitecer, na viagem de volta pelos rios, a focagem de jacarés surpreende. Os olhos dos animais brilham com a luz das lanternas e eles ficam paralisados. Um cenário impossível de descrever com palavras.

Ufa. Depois desse dia você volta para a cidade de Parnaíba quase embriagado de tantas aventuras e começa a ter "alucinações". Sonha com um hotel de charme, um hotel boutique, um hotel temático. Uma volta ao passado com todo o conforto da modernidade. Mas não é um sonho, é realidade! A Casa de Santo Antônio, um casarão colonial em pleno centro da cidade, é uma das mais exclusivas opções de hospedagem no litoral nordestino.

O hotel é formado por 22 acomodações que se dividem em três categorias: suítes coloniais, suítes de charme e suítes temáticas. Todas com muito requinte e elegância, como nos verdadeiros palácios da elite dos tempos de outrora, que remonta à chegada dos primeiros colonizadores europeus na região, em 1571. 

Ao entrar no quarto, o hóspede é surpreendido com a decoração assinada pelo bom gosto dos arquitetos restauradores do prédio. Abaixo de uma confortável cadeira, uma bacia com água quente, bolinhas para massagem dos pés e pétalas de rosas. Na mesa, como mimo, um delicioso chocolate e, ao amanhecer, um café colonial que parece saído dos sonhos. Mas já foi dito: não é sonho! É tudo realidade na Rota das Emoções. E, inacreditavelmente, isso fica no Brasil! 

MAKING OF: DELTA DO PARNAÍBA

Direção: André Pessoa

Modelo: Tatielly Castro

Produção Local: Joaquim Vidal

Produção: Socorro Macêdo

Assistente: Luiza Castro Rosário

Make up: Tatielly Castro

Figurinos: Vell Rezende, Teresa e Zelinda Oliveira

Iluminação: Luiza Castro Rosário

Apoio: Governo do Piauí

Produção Executiva: Carol Durães

Direção de Jornalismo: José Osmando

Agradecimentos: Restaurante Ilha das Canárias, Oswaldo, Pedro Holandês e sua equipe de caiçaras, mateiros e guias; Hotel de Charme Casa de Santo Antônio, Fátima Matos, Mário Carvalho, Base Delta, Agência Adventur Ecoturismo, Instituto Ecológico Caatinga (IEC) e Help Novidades, além da Linda Boutique e VellBizz, com figurino temático para as locações no litoral.

Veja Também
Tópicos
SEÇÕES