Dólar está quase estável após leilão do BC e Ibovespa recupera parte das perdas

Intervenção do Banco Central e dados dos EUA influenciam mercado cambial e de ações brasileiro

Dólar fechou, nesta terça-feira (3), com leve queda de 0,02%, a R$5,058 | Bigstock
FACEBOOK WHATSAPP TWITTER TELEGRAM MESSENGER

💵 O dólar fechou, nesta terça-feira (3) quase estável, com leve queda de 0,02%, a R$5,058 após leilão extraordinário do Banco Central no mercado de câmbio. Em março, a moeda americana acumulou alta de 0,86% frente ao real. Enquanto isso, o Ibovespa sobe 0,44%, atingindo 127.548,52 pontos, recuperando parte das perdas recentes. No mês passado, recuou 0,71%.

📈 O que aconteceu? O Banco Central anunciou até US$1 bilhão em contratos de swap cambial, primeira intervenção desde 2022, visando atender demanda pelo resgate de títulos públicos NTN-A3 em abril. A operação de hoje, contudo, é distinta dos leilões diários que vêm sendo realizados pelo BC para renegociação dos vencimentos de junho.

🔄 Paralelamente, o mercado reagiu a novos dados dos EUA, que mostram com encomendas à indústria subindo 1,4% e estabilidade nas vagas de emprego, impactando expectativas sobre os juros americanos. Por ora, o mercado vê chance de 62% de o Fed (Federal Reserve, o BC dos EUA) cortar os juros em 0,25 ponto percentual em junho, de acordo com a ferramenta FedWatch.

💱 Qual o impacto de juros estáveis? Juros estáveis nos EUA favorecem o dólar, uma vez que os juros continuam em patamar ainda elevado, os investidores redirecionam recursos para o mercado de renda fixa americano, considerado muito seguro. Em contrapartida, a Bolsa reflete preocupação com dados econômicos americanos, que apontam sinais de que o Fed vai começar a reduzir os juros em breve, o que tende a impulsionar moedas mais arriscadas, porém mais rentáveis, como o real.

Analistas apontam a possível manutenção dos juros nos EUA como fator desestimulante para investimentos na Bolsa brasileira.

"O BC está usando como justificativa o vencimento de títulos de dívida para o dia 15 de abril... Mas, na verdade, ele poderia ter feito essa intervenção em qualquer momento entre o dia 2 e o dia 15. É fato que a desvalorização recente do real deve estar preocupando o BC, que busca conter um movimento de alta mais expressivo e reduzir a volatilidade para taxa de câmbio",  explicou Leonel Mattos, analista da StoneX, à Reuters.

Com informações do UOL com Reuters.



Participe de nossa comunidade no WhatsApp, clicando nesse link

Entre em nosso canal do Telegram, clique neste link

Baixe nosso app no Android, clique neste link

Baixe nosso app no Iphone, clique neste link


Tópicos
SEÇÕES