Revisão da vida toda: o que muda com a nova decisão do STF e quem será afetado

A tese da revisão da vida toda surgiu após a promulgação da lei nº 9.876, em 1999, que alterou a forma de cálculo das aposentadorias no Brasil

Reforma | Montagem/Meio
FACEBOOK WHATSAPP TWITTER TELEGRAM MESSENGER

No último dia 21, o Supremo Tribunal Federal (STF) tomou uma decisão que pode encerrar as chances de aposentados do INSS realizarem a chamada "revisão da vida toda", afirmam especialistas em direito previdenciário consultados. Embora a decisão não tenha sido especificamente sobre o recurso da revisão, o novo entendimento da Corte sobre a lei previdenciária de 1999 inviabiliza a validade da tese.

A revisão da vida toda, em geral, possibilita que um grupo específico de pessoas aumente o valor da aposentadoria, incluindo mais anos de contribuição ao INSS para o cálculo do benefício. No entanto, poucas pessoas são diretamente afetadas pelas decisões sobre o assunto, explicam os especialistas. Existem três cenários distintos para os beneficiários em potencial.

A tese da revisão da vida toda surgiu após a promulgação da lei nº 9.876, em 1999, que alterou a forma de cálculo das aposentadorias no Brasil. Antes da lei, o INSS considerava apenas os três últimos anos de contribuição do trabalhador para calcular o benefício, o que levava a diversas fraudes. Com a mudança, passou-se a considerar 80% de todas as contribuições significativas do trabalhador ao longo da vida.

Entretanto, a recente decisão do STF sobre duas ações diretas de inconstitucionalidade (ADIs) que questionavam a lei previdenciária de 1999 estabelece que a regra de transição prevista por ela é de aplicação obrigatória. Isso contraria diretamente a tese da revisão da vida toda, tornando improvável que os ministros validem a tese em julgamento futuro. Os especialistas destacam que isso impactará todos os processos em curso relacionados ao tema.

A manobra do STF antes do julgamento do recurso extraordinário sobre a revisão da vida toda levanta questões sobre possíveis interesses econômicos envolvidos. Segundo especialistas, uma decisão favorável à revisão teria um grande impacto nas contas públicas, algo que o governo busca evitar. O valor estimado desse impacto é contestado por alguns especialistas em direito previdenciário, que argumentam que o número real pode ser significativamente menor do que o divulgado pelo governo.

Para mais informações, acesse meio.com

Leia Mais


Participe de nossa comunidade no WhatsApp, clicando nesse link

Entre em nosso canal do Telegram, clique neste link

Baixe nosso app no Android, clique neste link

Baixe nosso app no Iphone, clique neste link


Tópicos
SEÇÕES