Federação contabiliza 94 jornalistas mortos exercendo a função em 2023

Na guerra entre Israel e o grupo islâmico palestiniano Hamas, que teve início em 7 de outubro, 68 jornalistas foram mortos

Avalie a matéria:
Federação contabiliza 94 jornalistas mortos exercendo a função em 2023 | Imagem de Freepik

Até agora, em 2023, a Federação Internacional de Jornalistas (FIJ) registrou 94 jornalistas mortos, principalmente devido à guerra Israel-Hamas. Esse número supera os 67 registrados no mesmo período de 2022, incluindo 12 na guerra Ucrânia-Rússia, e é o dobro do total de 47 registrado em todo o ano de 2021. A FIJ expressou profunda preocupação com a situação e apelou por uma melhor proteção dos profissionais de mídia, bem como pela responsabilização dos agressores.

Na guerra entre Israel e o grupo islâmico palestiniano Hamas, que teve início em 7 de outubro, 68 jornalistas foram mortos, resultando em uma média de mais de um por dia, conforme a FIJ. Esse número representa 72% de todas as mortes ocorridas nos meios de comunicação social em todo o mundo este ano. A maioria esmagadora dos jornalistas mortos eram palestinianos na Faixa de Gaza, onde as forças israelenses continuam a ofensiva iniciada após o ataque do Hamas a Israel no início de outubro.  

As fatalidades em Gaza ocorreram em uma "escala e ritmo de perda de vidas de profissionais da comunicação social sem precedentes", destacou a FIJ. A Ucrânia permanece "um país perigoso para os jornalistas", mesmo quase dois anos após a invasão russa. Desde o início do ano, a FIJ registrou a morte de três repórteres ou profissionais de mídia na guerra entre Rússia e Ucrânia. A organização, sediada em Bruxelas, também expressou pesar pelas mortes de jornalistas no Afeganistão, nas Filipinas, na Índia, na China e no Bangladesh.

A FIJ observou uma redução no número de jornalistas mortos na América do Norte e do Sul, passando de 29 no ano anterior para sete até agora em 2023. O grupo informou que três mexicanos, um paraguaio, um guatemalteco, um colombiano e um norte-americano perderam a vida enquanto investigavam grupos armados ou casos de desvio de fundos públicos. Na África, a FIJ expressou consternação por "quatro assassinatos particularmente chocantes", incluindo dois nos Camarões, um no Sudão e outro no Lesoto, que até o momento não foram totalmente investigados.

A organização também relatou que 393 profissionais de mídia foram detidos até o momento neste ano, com destaque para 80 casos na China e em Hong Kong. Outros países mencionados incluem Myanmar (54 detenções), Turquia (41), Rússia e Crimeia ocupada (40), Bielorrússia (35) e Egito (23).



Participe de nossa comunidade no WhatsApp, clicando nesse link

Entre em nosso canal do Telegram, clique neste link

Baixe nosso app no Android, clique neste link

Baixe nosso app no Iphone, clique neste link


Veja Também
Tópicos
SEÇÕES