Comida ou remédios? Na Argentina de Milei, medicamentos passaram a ser luxo

Aposentados e trabalhadores informais, representando 40% do mercado de trabalho, enfrentam os maiores impactos

Saúde como um luxo inacessível | Montagem/MeioNorte
FACEBOOK WHATSAPP TWITTER TELEGRAM MESSENGER

Na Argentina, as farmácias testemunham um cenário alarmante, onde as pessoas consultam os preços dos remédios, mas não conseguem comprá-los, inclusive antibióticos. A crise atinge pacientes crônicos, forçando alguns a abandonarem tratamentos vitais contra hipertensão e colesterol. A queda de 10 milhões de vendas de medicamentos em janeiro, 70% deles prescritos, reflete a dura realidade de que cuidar da saúde tornou-se um luxo.

Desde a posse do presidente ultraliberal Javier Milei em dezembro, os preços dos medicamentos aumentaram 40% acima da inflação, que atingiu 254% em 12 meses, uma das mais altas do mundo. A falta de acordos entre o governo e os laboratórios, aliada à ausência de regulamentações, contribui para a crise.

Leia Mais

Aposentados e trabalhadores informais, representando 40% do mercado de trabalho, enfrentam os maiores impactos. Com rendimentos reduzidos e o aumento dos preços, muitos têm dificuldades para obter medicamentos essenciais. A situação é especialmente desafiadora para pacientes crônicos, que buscam alternativas, como comprar unidades menores, comprometendo a eficácia do tratamento.

A população vulnerável, incluindo aposentados, recorre a estratégias para lidar com os custos, mas a qualidade dos tratamentos é comprometida. O aumento nos pedidos de ajuda em bancos comunitários de medicamentos destaca a necessidade urgente de intervenções. Enquanto alguns pacientes recorrem a programas de assistência social, como Pablo Riveros, diagnosticado com Hemoglobinúria Paroxística Noturna, a demora na entrega dos medicamentos, associada a uma auditoria governamental, coloca em risco vidas.

Pablo Riveros sofre de hemoglobinúria paroxística noturna (HPN) — Foto: Juan Mabromata/AFPEm meio a esse cenário desolador, a população aguarda soluções para garantir o acesso a tratamentos essenciais e enfrentar os desafios crescentes no sistema de saúde argentino.

Para mais informações, acesse MeioNorte.com



Participe de nossa comunidade no WhatsApp, clicando nesse link

Entre em nosso canal do Telegram, clique neste link

Baixe nosso app no Android, clique neste link

Baixe nosso app no Iphone, clique neste link


Tópicos
SEÇÕES