Veja a lista de pessoas que permanecem sequestradas pelo grupo Hamas

As Forças de Defesa de Israel (IDF) disseram anteriormente que entre os reféns há cerca de 20 crianças e entre 10

Avalie a matéria:
Amiram e Nurit Cooper, fotografados com a neta, Gali | Divulgação

As forças israelenses afirmam que 242 pessoas estãmantidas como reféns pelo grupo Hamas. Quatro reféns foram libertadas até agora. Duas mulheres idosas, Nurit Cooper e Yocheved Lifschitz, foram libertadas na segunda-feira (24/10). Dias antes, em 20 de outubro, duas reféns norte-americanas – Judith Raanan e sua filha Natalie Raanan – também foram libertadas. As informaçãoe são da BBC.

O Hamas afirma ter escondido os reféns em “locais e túneis seguros” dentro de Gaza. As Forças de Defesa de Israel (IDF) disseram anteriormente que entre os reféns há cerca de 20 crianças e entre 10 a 20 pessoas com mais de 60 anos.

Erez (E) e Sahar (D) estão entre os membros de uma família que foram sequestrados no kibutz Nir Oz (Foto: Divulgação)

As IDF notificaram algumas famílias de que os seus entes queridos estão mantidos como reféns, enquanto outras famílias - cujos familiares permanecem desaparecidos - acreditam que foram levados.

Estas são as histórias de reféns retirados de Israel em 7 de outubro, que foram confirmadas pela BBC ou divulgadas de forma crível. Esta lista é atualizada regularmente e os nomes podem mudar, uma vez que pode ser confirmado que algumas pessoas que se suspeita terem sido sequestradas foram mortas ou liberadas.

Doron, Raz e Aviv Asher foram capturadas enquanto estavam com parentes perto da fronteira de Gaza. Yoni, o marido, viu um vídeo de sua esposa e filhas, de 5 e 3 anos, sendo colocadas em um caminhão com outros reféns. Ele também rastreou o celular dela até Gaza.

Doron Asher e as filhas Aviv e Raz estão entre os sequestrados, segundo vídeos vistos por parentes (Foto: Reprodução)

Amiram Cooper, de 85 anos, foi levado junto com a esposa, Nurit Cooper, da casa deles em Nir Oz, segundo disse sua nora Noa à BBC. A família chegou a falar com o casal durante o ataque de 7 de outubro, e os idosos haviam dito que estavam em um cômodo de segurança na casa. Mais tarde, a família rastreou o telefone de Amiram até Gaza. Na segunda-feira (23), Nurit foi liberada pelo Hamas.

Oded Lifshitz, 83 anos, e sua esposa Yocheved, 85 anos, foram feitos reféns no Kibutz Nir Oz. Na segunda (23/10), Yocheved foi uma das duas mulheres idosas libertadas. Depois de ouvir a notícia da libertação da sua mãe, a sua filha Sharone - uma artista radicada em Londres - disse: "Embora não consiga expressar em palavras o alívio por ela estar segura agora, continuarei concentrado em garantir a libertação do meu pai e de todos aqueles - cerca de 200 pessoas inocentes - que permanecem reféns em Gaza."

Ohad Munder-Zichri, 9 anos, sua mãe, Keren Munder, 54 anos, e seus avós Ruthi e Avraham Munder, ambos 78 anos, foram sequestrados no Kibutz Nir Oz, dizem autoridades israelenses. A Associated Press informou que um sinal telefônico da família foi rastreado em Gaza.

Clara Marman, 62 anos, seu parceiro Louis Har, seus irmãos Fernando Simon Marman e Gabriela Leimberg e a filha adolescente de Gabriela, Mia Leimberg, podem ter sido levados do Kibutz Nir Yitzhak. O grupo de cinco israelenses-argentinos estava escondido em seu quarto seguro, de acordo com a filha de Louis Har, que estava enviando mensagens de texto para ele. A última mensagem chegou às 11h04, informou o jornal Times of Israel. A filha de Clara, Maayan Sigal-Koren, disse que o exército israelense disse que seus telefones foram rastreados em Gaza, de acordo com o Vatican News.

Sharon Alony Cunio, 34, seu marido David Cunio, 33, e suas filhas gêmeas de três anos, Emma e Julie; A irmã de Sharon, Daniele Alony Mevneh, e sua filha Amelia Mevneh, de cinco anos, foram sequestradas em um kibutz no sul de Israel, disseram Moran, irmão de Sharon e Daniele, à CNN. Moran disse que uma testemunha lhe disse que a família se abrigou em um quarto seguro, mas o Hamas ateou fogo à casa - eles foram feitos reféns depois de saírem para escapar das chamas.

Dafna Garcovich e seu marido Ivan Illarramendi Saizar – que têm cidadania israelense-chilena e espanhola, respectivamente – foram sequestrados de suas casas, disse o pai de Dafna. Em 19 de outubro, o Ministério das Relações Exteriores de Israel afirmou que o casal estava mantido como refém em Gaza.

Margalit Mozes, 78 anos, foi vista em uma gravação sendo levada de sua casa em Nir Oz, um kibutz no sul de Israel, perto de Gaza, pelo Hamas, disse seu irmão Chanon Cohen à CBS. Ela tem problemas de saúde que exigem cuidados médicos quase constantes, informou a família dela.

Eitan Yahalomi, 12 anos, foi levado do Kibutz Nir Oz pelo Hamas em uma motocicleta, e sua mãe Bat-Sheva e duas irmãs em outra. Bat-Sheva, de nacionalidade francesa, disse em uma coletiva de imprensa que conseguiu escapar com as filhas, mas que perdeu Eitan de vista quando ele foi levado para Gaza. O marido de Bat-Sheva, Ohad, foi baleado e ferido antes, enquanto tentava defender a família em sua casa, e agora está desaparecido.

Hagar Brodutch, 40, sua filha Ofri, 10, e os filhos Yuval, 8, e Oria, 4, estavam em Kfar Aza, um kibutz perto da fronteira com Gaza, quando o Hamas atacou, segundo Avichai Brodutch, marido de Hagar e pai das crianças. Ele disse à ABC News que inicialmente acreditava que eles estavam mortos – mas depois recebeu uma mensagem do kibutz informando que eles haviam sido vistos vivos, sendo levados embora.

Meirav Tal, seu parceiro Yair Yaakov e os filhos dele Yagil, 12, e Or, 16, estão listados entre os reféns. A mãe das crianças, Ranana, estava ao telefone com elas quando o Hamas chegou e ouviu o filho mais novo gritar: “Não me levem, sou muito jovem!” Um vídeo também parece mostrar Yair e Meirav com seus sequestradores.

Amit Shani, 16 anos, foi obrigado a entrar em um carro por homens armados do Hamas depois que eles invadiram o quarto seguro da família no Kibutz Be'eri, disse sua mãe ao New York Times.

Tsachi Idan foi visto pela última vez por sua esposa, Gali, quando foi levado por homens armados do Hamas. A família deles foi localizada em um quarto seguro – cômodo feito de concreto reforçado com portas de aço herméticas e janelas projetadas para suportar ataques de mísseis – no Kibutz Nahal Oz. A captura dele foi transmitida ao vivo pelo Hamas. O filho mais velho, Maayan – que acabara de completar 18 anos – foi morto a tiros, disse Gali à BBC.

Ron Scherman, um soldado israelense de 19 anos, foi sequestrado em uma passagem de fronteira, disse sua mãe Maayan ao canal de notícias i24 de Israel. Mais tarde, ela o identificou em um vídeo postado pelo Hamas.

Judith Weinstein Haggai, 70, e seu marido Gad, 73, também desapareceram de Nir Oz após o ataque do Hamas. Dez dias depois, os militares israelenses confirmaram à família que haviam sido feitos reféns, informou a CTV News no Canadá.

Adina Moshe, 72 anos, foi identificada pela sua família em um vídeo que a mostrava presa entre dois combatentes do Hamas numa moto, aparentemente ela estava sendo levada para Gaza. Ela também foi sequestrada em Nir Oz, disseram seus parentes à CNN.

Yossi e Margit Silberman, os pais de Shiri, também estão desaparecidos e provavelmente foram capturados. Daphna Elyakim, de 15 anos, e sua irmã Ella, de 8, foram vistas em vídeo sendo detidas em casa, no kibutz Nahal Oz, disseram parentes. O pai das meninas, Noam Elyakim, a parceira de Noam, Dikla Arava, e seu filho Tomer, de 17 anos, foram mortos. Parentes disseram que Ella e Daphna apareceram em fotos postadas pelo Hamas.

Karina Ariev, uma soldado de 19 anos, servia numa base militar perto de Gaza quando foi raptada. Sua irmã Alexandra disse à BBC que ouviu tiros quando Karina ligou para ela durante o ataque, e mais tarde viu um vídeo mostrando Karina sendo levada em um veículo.

Alex Danzig, 75 anos, estudioso e historiador do Holocausto, estava em sua casa, também em Nir Oz, quando a residência foi atacada pelo Hamas, em 7 de outubro. “Temos certeza de que ele foi sequestrado”, disse seu filho Mati à BBC. Alex – cuja irmã mais velha, Edith, é uma sobrevivente do Holocausto – passou os últimos 30 anos trabalhando para o Yad Vashem, o centro de memória do Holocausto em Israel. O seu desaparecimento desencadeou uma campanha pela sua libertação, tanto em Israel como na Polónia, o seu país natal.

Shiri, Yarden, Ariel e Kfir Bibas teriam sido sequestrados no kibutz no sul de Israel onde viviam e onde Shiri era professora de jardim de infância. Shiri foi fotografada segurando Ariel, de 3 anos, e Kfir, de 9 meses, cercada por homens armados do Hamas.

Shiri e seus dois filhos sendo levados por integrantes do Hamas (Foto: Reprodução)

Channah Peri, 79, e seu filho Nadav Popplewell, 51, foram feitos reféns pelo Hamas, disse a filha de Channah, Ayelet Svatitzky, que falava com eles ao telefone quando os homens armados invadiram a casa deles. Ela disse que os sequestradores enviaram fotos de seus dois parentes, ambos com diabetes, com homens armados ao fundo.

Omri Miran, 46 anos, foi sequestrado depois que sua família abriu a porta de seu abrigo seguro para uma criança israelense, que disse que caso contrário ele seria morto. A esposa de Omri, Lishay Lavi, disse que o viu sendo levado algemado com outros três reféns do kibutz Nahal Oz.

Ofer, Erez e Sahar Kalderon foram feitos prisioneiros no Kibutz Nir Oz. Um vídeo nas redes sociais parecia mostrar Erez, de 12 anos, sendo levado por homens armados em direção a Gaza, disse seu parente Ido Dan à BBC. A princípio, acreditava-se também que outros dois familiares deles, Carmela Dan, de 80 anos, e sua neta, Noya, de 12, também tinham sido levadas, mas as autoridades israelenses anunciaram mais tarde que elas haviam sido encontradas mortas.

Erez (E) e Sahar (D) estão entre os membros de uma família que foram sequestrados no kibutz Nir Oz (Foto: Divulgação)

Liri Elbag, 18 anos, tinha acabado de iniciar o treinamento militar como vigia do Exército perto da fronteira de Gaza quando o Hamas atacou, disse seu pai, Eli, à Associated Press. Eli afirmou que a viu em um vídeo divulgado posteriormente pelo Hamas, lotado com outras pessoas na traseira de um caminhão militar que foi apreendido pelos homens armados.

Aviv Atzili e seu marido Liat Beinin Atzili, ambos de 49 anos, desapareceram de sua casa no Kibutz Nir Oz no dia do ataque. A casa deles foi incendiada, mas não havia sinal de luta ou sangue e, de acordo com o The Times of Israel, o telefone de Aviv foi geolocalizado em Gaza um dia depois.

Mia Shem, 21 anos, de Shoham, apareceu no primeiro vídeo de reféns divulgado pelo Hamas dizendo que havia sido sequestrada em uma festa. As Forças de Defesa de Israel confirmaram que ela foi feita refém e disseram que estavam em contato com sua família, que concordou que as imagens do vídeo pudessem ser mostradas.

Muitas pessoas podem ter sido sequestradas no festival de música Supernova, no sul de Israel. Entre elas:

Moran Stela Yanai, 40 anos, designer de joias que estava vendendo seu trabalho no festival quando o ataque aconteceu. Mais tarde, ela foi vista em um vídeo sentada no chão, cercada por um texto depreciativo em árabe sobre os judeus, disse seu irmão à Associated Press.

Almog Meir Jan, 21 anos, tentou fugir do festival. Ele e um amigo chegaram ao carro do amigo, mas só conseguiram percorrer uma curta distância antes de serem forçados a parar. A família de Almog afirma ter visto um vídeo com reféns no qual ele aparece.

Inbar Heiman, um estudante de 21 anos, foi visto por dois jovens israelenses sendo levado do festival em uma motocicleta. O Hamas divulgou um vídeo no qual Inbar é visto brevemente.

Hersh Goldberg-Polin, 23 anos, da Califórnia, foi visto por testemunhas sendo carregado em um caminhão, disse sua família ao Los Angeles Times. Ele ficou gravemente ferido e inconsciente, disseram as testemunhas, e a última localização conhecida de seu telefone o mostrou na fronteira com Gaza.

Maya Regev, 21, e seu irmão Itay, 18, de Herzliya, também teriam sido levados. Na manhã do ataque, o pai de Maya recebeu um telefonema da filha que gritava “Pai, estão atirando em mim, estou morta”. A família disse que mais tarde viu Itay algemado na traseira de um veículo em um vídeo divulgado pelo Hamas. Quase dois dias depois, o exército israelense informou à família que Maya e Itay haviam sido sequestrados.

Noa Argamani, uma cidadã israelense nascida na China, também foi sequestrada no festival. Imagens de vídeo - verificadas por seu pai, Yaakov Argamani, no Canal 12 de Israel - mostram a jovem de 25 anos sendo levada na traseira de uma motocicleta gritando "Não me mate!".

Bar Kuperstein, 21 anos, falou pela última vez com a sua família na manhã de 7 de outubro, durante o desenrolar do ataque. Mais tarde, no mesmo dia, a sua família afirma tê-lo identificado em um vídeo de prisioneiros israelitas, publicado pelo Hamas. Desde então, eles dizem não ter tido mais informações.

Eliya Cohen, 26 anos, estava se escondendo do ataque com sua namorada Ziv, quando Ziv o sentiu sendo puxado e expulso pelos homens armados, disse a mãe de Eliya à iniciativa de vídeo #BringThemHomeNow ("Os devolva para casa agora", em tradução literal). A família então encontrou uma foto de Eliya em Gaza, informou o Times of Israel.

Amit Buskila, 28 anos, de Ashdod, foi ouvida pela última vez ligando para seu tio, Shimon, enquanto o Hamas invadia o festival. A sua família afirma ter sido informada pelo governo que ela está detida em Gaza.

Evyatar David, 23 anos, estava no festival e, na manhã dos ataques, descreveu ter fugido dos tiros antes de perder contato com o mundo exterior, diz seu irmão. Mais tarde, segundo sua família, a irmã de Evyatar postou no Instagram pedindo informações sobre seu paradeiro - ela então recebeu uma mensagem de um número desconhecido, que continha imagens de vídeo de Evyatar algemado no chão de um quarto escuro. De acordo com o Ministério das Relações Exteriores de Israel, ele está sendo mantido em cativeiro pelo Hamas em Gaza.

Veja Também
Tópicos
SEÇÕES