Para 76% dos brasileiros, licença-paternidade deveria ser maior, diz Datafolha

O direito de o pai tirar licença do trabalho após ter um filho foi incluído na Constituição de 1988

Para 76% dos brasileiros, licença-paternidade deveria ser maior, diz Datafolha | Foto de user18526052/FreePick
FACEBOOK WHATSAPP TWITTER TELEGRAM MESSENGER

A licença-paternidade no Brasil é de cinco dias corridos. Mas, para 76% dos brasileiros, esse direito deveria ser ampliado. É o que aponta pesquisa Datafolha. O direito de o pai tirar licença do trabalho após ter um filho foi incluído na Constituição de 1988. Além dos cinco dias previstos na lei, existe também o programa voluntário Empresa Cidadã, no qual os estabelecimentos inscritos dão mais 15 dias, totalizando 20 dias de licença.

AUMENTO TAMBÉM DA LICENÇA-MATERNIDADE: A maioria dos entrevistados, 83%, também concorda que a licença-maternidade deveria aumentar de 120 para 180 dias. O levantamento foi realizado nos dias 19 e 20 de março, com 2.002 pessoas de 147 municípios de todas as regiões do país. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

MAIS DADOS DA PESQUISA: Os homens foram os que mais concordaram com a ampliação da licença para os pais, um total de 77%. Os que discordam são 21%. No caso das mulheres, 75% endossam o aumento da licença-paternidade, enquanto 23% são contra. Em relação ao aumento da licença-maternidade, o resultado é ao contrário: 78% dos homens são favoráveis diante de 88% das mulheres. A discordância sobre o tema é maior entre os homens, que somam 20%, e as mulheres, 11%.

RESULTADO DOS MAIS JOVENS: Os mais jovens, independentemente do gênero, são os que tendem a concordar mais com o aumento do tempo de licença tanto para os pais e quanto para as mães. Enquanto 83% dos jovens de 16 a 24 anos concordam que a licença-paternidade deve ser ampliada, o número cai para 67% entre as pessoas com 60 anos ou mais que estão de acordo. Quanto ao aumento de 120 dias para 180 dias da licença-maternidade, 91% dos jovens de 16 a 24 anos são favoráveis. Já na faixa etária com 60 anos ou mais, 72% apoiam.

COM RELAÇÃO À RENDA FAMILIAR: Conforme a renda familiar aumenta, mais as pessoas concordam com a ampliação da licença-paternidade, 77% dos que ganham até dois salários mínimos concordam, ante 88% dos que ganham mais de dez. O contrário acontece com o apoio ao aumento da licença-maternidade: a renda dos que mais concordam é menor; 84% dos que ganham até dois salários mínimos endossam a ampliação do direito, ante 79% dos que ganham mais de dez salários mínimos.

EMPRESÁRIOS SÃO OS QUE MENOS CONCORDAM: A pesquisa também mostra que os empresários são os que menos concordam com a ampliação da licença-paternidade, somando 67%. A porcentagem entre eles também é menor quando questionados sobre a licença-maternidade: 65% concordam.

COM RELAÇÃO À BOLSONARISTAS E PETISTAS: O tema da licença-paternidade gera pouca divergência entre bolsonaristas e petistas: 73% dos apoiadores de Jair Bolsonaro (PL) concordam com a ampliação, e 78% dos apoiadores de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) são favoráveis. Por outro lado, a ampliação da licença-maternidade tem mais apoio dos petistas (87%, ante 78% dos bolsonaristas).

COM RELAÇÃO À ESCOLARIDADE: No que tange à escolaridade, 78% dos que têm ensino superior concordam com a ampliação da licença-paternidade. Na licença-maternidade, 87% dos que possuem ensino médio concordam, ante 82% dos que têm superior.

(Com informações da FolhaPress - Vitória Macedo)



Participe de nossa comunidade no WhatsApp, clicando nesse link

Entre em nosso canal do Telegram, clique neste link

Baixe nosso app no Android, clique neste link

Baixe nosso app no Iphone, clique neste link


Tópicos
SEÇÕES