ABREMA propõe soluções para fim dos lixões a céu aberto no Piauí

Presidente da ABREMA, Pedro Maranhão vem ao Piauí discutir com instituições o encerramento dos lixões

Avalie a matéria:
Presidente da ABREMA Pedro Maranhão | Divulgação

Atendendo a uma preocupação global sobre a questão do meio ambiente, o presidente da Associação Brasileira de Resíduos Sólidos e Meio Ambiente (ABREMA), Pedro Maranhão, esteve em Teresina  para se reunir gestores e instituições para discutir soluções para o fim das atividades dos lixões no estado. Ele também concedeu uma entrevista ao Portal MeioNews, explicando suas propostas.

Atualmente, no Piauí existem 172 lixões ativos, segundo o presidente. Para ele, Teresina precisa se adequar quanto ao descarte de seu lixo em locais a céu aberto, e a implementação de aterros sanitários ambientalmente corretos seria um avanço essencial na causa ambiental.

“O que estamos discutindo aqui é o uso da estrutura existente. Aqui há quatro aterros ambientalmente corretos. Não faz sentido Teresina ainda ter resíduos em lixões. É a única capital do Brasil que tem um lixão na cidade,” afirmou.

Reunião com o presidente do Instituto de Águas e Esgotos do Piauí, Magno Pires e técnicos do Órgão. Foto: Divulgação

CATADORES NÃO FICARÃO SEM FONTE DE RENDA

Pedro Maranhão propõe ainda soluções para os catadores que frequentam os lixões e tiram sua renda da atividade. Ele orienta que esses grupos sejam remanejados para a separação de material reciclável em galpões, poupando essa população de ficar exposta a doenças causadas pela contaminação.

“Os lixões que têm catadores estão envolvidos no projeto junto com o governo do estado, a prefeitura, o governo federal e as entidades, para criar galpões para a separação de resíduos e implantar a coleta seletiva. Isso é fundamental, porque nossa legislação permite que os catadores trabalhem nos lixões sem qualquer proteção. Mas, ao sair, eles só podem manusear resíduos originados da coleta seletiva. Portanto, é necessário implantar a coleta seletiva, trazer os resíduos para um galpão de separação e assim garantir que os catadores continuem tendo matéria-prima para seu sustento,” explicou.

BENEFÍCIOS DOS ATERROS PARA A CAPITAL

Além da diminuição das doenças causadas pela contaminação dos lixões, a implementação de aterros para a capital vai reduzir a emissão de gases que causam o efeito estufa.

“Teresina está tendo um grande prejuízo na saúde, que é imensurável e difícil de contabilizar. Os lixões causam muitas doenças, então a prefeitura acaba gastando mais dinheiro com a saúde sem saber que a origem é o lixão. Com as novas tecnologias, o resíduo ambientalmente armazenado pode ser aproveitado de várias maneiras: como CDR, que é um combustível derivado de resíduos usado em cimenteiras; biogás para gerar energia elétrica; biometano, que pode ser transformado em GLP (gás de cozinha), gás combustível para carros e gás para a indústria,” explicou.



Participe de nossa comunidade no WhatsApp, clicando nesse link

Entre em nosso canal do Telegram, clique neste link

Baixe nosso app no Android, clique neste link

Baixe nosso app no Iphone, clique neste link


Tópicos
SEÇÕES