CITER 2024 reserva último dia de evento para discutir soluções para contornar as mudanças climáticas

O representante do governo Rafael Fonteles (PT) fez o levantamento de dados sobre a gestão ambiental e recursos hídricos do Piauí desde o início do novo governo

Avalie a matéria:
CITER 2024 | Fabrício de Freitas

Na manhã desta quarta-feira (5), o Centro de Convenções de Teresina cedeu espaço para o terceiro e último dia da Conferência Internacional de Tecnologias das Energias Renováveis (CITER). No teatro, a V Conferência Estadual do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável reuniu especialistas, autoridades governamentais e interessados no assunto para discutirem sobre caminhos a serem implantados político e socialmente para atenuar as irreversível mudança climática.

O representante do governo Rafael Fonteles (PT) fez o levantamento de dados sobre a gestão ambiental e recursos hídricos do Piauí desde o início do novo governo. Ele explicou as políticas públicas e fiscalização adotadas até o momento para reduzir a emissão de gases do efeito estufa e o desmatamento ilegal para, assim, contornar as mudanças climáticas como também expôs relembrou o projeto para diminuir o problema da fome, a qual ainda castiga milhares de famílias brasileiras.

Participação estudantil

Ledinalva Bernardino, professora e mediadora das turmas do técnico em Tecnologia, apontou a importância de levar a comunidade estudantil para eventos científicos como o CITER. “Estamos dando início ao componente curricular sobre sustentabilidade. E, como professora, sempre que possível a gente está colaborando e cooperando com o ensino e com a aprendizagem desses meninos de uma forma mais ampla. Então, participar de uma conferência como esta nos dá norte, nos dá conhecimento, segurança, experiências e vivências. Levando isso, os meninos,certamente, se transformarão em bases em conhecimento mais amplos e irão fazer suas produções com maiores e melhores qualidades”, afirmou.

Ledinalva Bernardino e grupo de alunos (Foto: Fabrício de Freitas)

Daniel Guimarães, coordenador da Conferência Nacional do Meio Ambiente, apontou a sociedade do consumo como um dos principais fatores que turbinam as mudanças climáticas, além de marginalizar as classes menos abastadas dos projetos de proteção, tornando-as mais vulneráveis a sentirem os impactos maléficos do clima.

Além da sociedade consumista, os palestrantes também apontaram a agropecuária como outro vetor que acelera a degradação ambiental e climatológica, visto que tal setor econômico é o principal produtor do dióxido de carbono (CO2), um dos gases poluentes que nutre o efeito estufa.

Palestra com Daniel Guimarães, coordenador da Conferência Nacional do Meio Ambiente (Foto: Fabrício de Freitas)

Perfil do grupo mais vulnerável

A população preta, pobre e periférica, sobretudo mulheres, é o principal alvo dos diversos efeitos maléficos das mudanças climáticas, isso porque o grupo é colocado a margem das políticas públicas ambientais devido a seu baixo poder aquisitivo. Sendo assim, a comunidade é posta na linha de frente de deslizamento de barragens, enchentes, secas e doenças virais.

Palestras CINTER 2024 (Foto: Fabrício de Freitas)



Participe de nossa comunidade no WhatsApp, clicando nesse link

Entre em nosso canal do Telegram, clique neste link

Baixe nosso app no Android, clique neste link

Baixe nosso app no Iphone, clique neste link


Tópicos
SEÇÕES