Paciente morre com falta de ar à espera do SAMU: “Sentimento de impotência”

A situação de calamidade e sucateamento é vivenciada até pelos profissionais do órgão, que denunciam a demora no atendimento, afirmou uma médica.

Avalie a matéria:
Ambulâncias do Samu parada por problemas mecânicos em novembro de 2023, em Goiania | FOTO: TV Anhanguera
FACEBOOK WHATSAPP TWITTER TELEGRAM MESSENGER

Um paciente, que teve a identidade preservada, morreu com falta de ar enquanto esperava uma ambulância do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) em Goiânia (GO). A situação de calamidade e sucateamento é vivenciada até pelos profissionais do órgão, que denunciam a demora no atendimento, afirmou uma médica.

O QUE OCORRE: A profissional contou ainda que o paciente era asmático e precisou de socorro, porém, só havia uma ambulância para atender todas as ocorrências da capital. Por causa dessa falta de outra viatura do SAMU, a vítima esperou mais de 30 minutos e morreu. Ela disse se sentir constrangida por não conseguir chegar a tempo e salvar o paciente. 

“O paciente morreu por falta de ar porque não tinha viatura. Eu era a única viatura para atender Goiânia inteira e cheguei lá com 32 minutos. Ele já estava roxo e eu não pude fazer nada. Eu não estou falando que iria salvar ele, mas eu poderia ajudar e não consegui [...] A gente fica seis anos estudando medicina e se especializando para ver as pessoas morrerem por falta de atendimento, isso dói muito. A gente também está pedindo socorro, está muito difícil”, desabafou a médica à TV Anhanguera.

Ambulâncias do Samu em Goiania | FOTO: Prefeitura Municipal

OUTRO LADO: Em nota, a Secretaria de Saúde de Goiânia diz que o Samu conta com 59 médicos divididos em plantões de atendimento nas ambulâncias e regulação, que fazem a triagem das ocorrências. Disse ainda que não há processo conclusivo de óbitos causados por omissão de socorro. “Eu demorei 32 minutos para chegar, eu estava sozinha. Ele morreu por falta de atendimento”, contou a médica muito emocionada.

IRREGULARIDADES: Em 2024, uma auditoria do Ministério da Saúde encontrou irregularidades no uso das verbas enviadas à Prefeitura de Goiânia para manter as ambulâncias, que, na verdade, estavam paradas. O prejuízo total foi de R$ 11 milhões.

CONFIRA A NOTA PREFEITURA

A Secretaria Municipal de Saúde esclarece que dos sete médicos do Samu escalados para atuarem no plantão diurno, desta segunda-feira, nas três ambulâncias de Serviço Avançado (USA), e na regulação, somente três compareceram. Os demais informaram que apresentarão atestado médico. Na tentativa de amenizar o problema, um dos médicos da regulação assumiu uma das USA. O plantão noturno está com equipe completa de sete médicos.

Atualmente, o Samu conta 59 médicos que atuam em três Unidades de Serviço Avançado e na regulação. Do total, 38 são efetivos que cumprem sete plantões mensais, de 12 horas, cada um. Os outros 21, são credenciados e fazem 10 plantões de 12 horas. 

A secretaria já solicitou informações sobre os motivos da não transferência da paciente para o Hospital e Maternidade Célia Câmera, uma vez que o plantão estava completo no dia do ocorrido.

Informa também que todas as denúncias referentes ao serviço prestado pelo Samu são investigadas pela ouvidoria do município e Ministério Público. Não há nenhum processo conclusivo de óbito que teria sido causado por omissão de socorro.

Para evitar esse tipo de imprevisto, que desarticula a rede de atendimento à população, a secretaria trabalha para mudar o modelo de funcionamento do Samu.



Participe de nossa comunidade no WhatsApp, clicando nesse link

Entre em nosso canal do Telegram, clique neste link

Baixe nosso app no Android, clique neste link

Baixe nosso app no Iphone, clique neste link


Tópicos
SEÇÕES