Após repudiar ex-presidente, PL exige lealdade de prefeito de SP a Bolsonaro

“Eu? Do lado do Bolsonaro?”, questionou Ricardo Nunes, de modo negativo

Avalie a matéria:
Sombra de Jair Bolsonaro em Ricardo Nunes | Intercept Brasil

O prefeito de São Paulo, Ricardo Nunes (MDB), tem enfrentado reiteradas tentativas de equilibrar sua postura política em meio a pressões do entorno de Jair Bolsonaro (PL). Enquanto ele busca distanciar-se do bolsonarismo, aliados do ex-presidente cobram fidelidade e uma vaga em sua chapa para as eleições de 2024, o que levanta preocupações entre apoiadores do ex-mandatário que desejam lançar uma candidatura própria na maior cidade do país.

Nunes busca equilibrar a aliança que poderia conquistar votos da direita com a rejeição a Bolsonaro entre o eleitorado de centro. Em uma palestra para estudantes universitários recentemente, quando questionado sobre sua lealdade a Bolsonaro após "milhares de mortes na pandemia da Covid-19" em São Paulo, Nunes tergiversou em sua resposta inicial, o que irritou aliados do ex-presidente. Ele respondeu com a pergunta: "Eu? Do lado do Bolsonaro?". Posteriormente, adotou um tom mais pragmático, afirmando que conversa "com todos" e destacando os índices de vacinação na capital paulista, pedindo para que não lhe atribuam "coisas dos outros".

Leia Mais

O prefeito paulista afirmou que não tem proximidade nem com Bolsonaro nem com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Insatisfação da ala bolsonarista

Fabio Wajngarten, ex-secretário de Comunicação da Presidência e um dos articuladores da aliança entre Bolsonaro e Nunes, expressou sua insatisfação em uma rede social, embora não tenha mencionado o prefeito de São Paulo. Ele afirmou que "ninguém se apropriará de votos bolsonaristas e deixará Bolsonaro distante". Wajngarten é um dos aliados mais próximos de Bolsonaro.

A declaração de Nunes também levou o ex-ministro e deputado federal Ricardo Salles (PL-SP), que pleiteava ser o candidato do PL à prefeitura de São Paulo, a expressar seu descontentamento com a aliança costurada pelo partido. Salles ironizou a declaração do prefeito em suas redes sociais.

Além disso, Nunes já vinha sendo acusado de "esconder" Bolsonaro em suas redes sociais antes dessa polêmica. O PL também reclama do espaço que ocupa na gestão municipal de São Paulo, considerado insuficiente na secretaria do Meio Ambiente.

O presidente do PL, Valdemar Costa Neto, reforçou a intenção de Bolsonaro de indicar o candidato a vice na chapa de Nunes, defendendo a composição com o prefeito.

Aliados de Nunes argumentam que ele não tem controle sobre os nomes ventilados para a chapa e que a escolha do vice não foi imposta como condição para o apoio de Bolsonaro. Consideram que uma associação forte à imagem de Bolsonaro poderia limitar o crescimento do prefeito, já que 68% dos eleitores rejeitam votar no candidato indicado pelo ex-presidente em São Paulo, de acordo com uma pesquisa Datafolha.

Apesar das tensões, membros do PL garantem que é improvável que Costa Neto não apoie Nunes em 2024 e que a aliança entre eles continua, visando derrotar a extrema esquerda. O prefeito de São Paulo está em segundo lugar nas intenções de voto, com 24%, segundo a última pesquisa do instituto.

Para mais informações, acesse Meionorte.com



Participe de nossa comunidade no WhatsApp, clicando nesse link

Entre em nosso canal do Telegram, clique neste link

Baixe nosso app no Android, clique neste link

Baixe nosso app no Iphone, clique neste link


Veja Também
Tópicos
SEÇÕES