Empresário acusado por Scarpa de estelionato participou de atos golpistas

O investimento dos jogadores aconteceu após uma indicação do também ex-atleta do Alviverde, William Bigode.

Avalie a matéria:
Empresário acusado por Scarpa de estelionato participou de atos golpistas | Divulgação

O empresário bolsonarista Gabriel de Souza Nascimento, um dos donos da empresa Xland Holding Ltda, que aplicou um golpe financeiro nos ex-jogadores do Palmeiras Gustavo Scarpa e Mayke, já participou de atos golpistas. 

O investimento dos jogadores aconteceu após uma indicação do também ex-atleta do Alviverde, William Bigode. O boletim de ocorrência ao qual o DCM teve acesso mostra que Scarpa investiu cerca de R$6.300.000,00, enquanto Mayke aplicou R$ 4.083.000,00. A empresa, por sua vez, prometia um retorno entre 3,5% a 5,0 % ao mês. O goleiro do Palmeiras, Weverton, também perdeu dinheiro com a Xland.

Empresário acusado por Scarpa de estelionato participou de atos golpistas

Leia Mais

A Xland Holding Ltda se classifica como uma exchange especializada na gestão de criptoativos por meio de contratos de custódia. A empresa tem sede em Brasília (DF) e além de Gabriel, é composta por Jean Ribeiro, CEO da empresa, pela diretora de compliance Elayne Nascimento e pela diretora financeira Maria Heloiza.

Em entrevista ao Fantástico, da TV Globo, o simpatizante do ex-mandatário colocou a Xland Holding Ltda como uma das vítimas do caso e explicou que a perda do dinheiro investido pelos jogadores se deu pelo fato de todas as operações da companhia serem realizadas através da FTX, empresa que faliu em novembro de 2022.

O bolsonarista também disse que William Bigode ganhava comissão ao indicar clientes para a empresa, mas que o jogador não tem nenhuma responsabilidade sobre o que aconteceu: “O Willian não tem nenhuma responsabilidade do que aconteceu com a empresa. Ele também é uma vítima, assim como nós, empresa, também somos uma vítima”.

Bigode, no entanto, alegou que ele e sua empresa também foram vítimas da Xland e que perderam R$ 17,5 milhões. Na época em que atuava no Palmeiras, ele indicou a empresa WLJC, onde é sócio, para os ex-companheiros de clube.

Vale destacar que, em outubro de 2022, a Xland Holding foi denunciada pelo Ministério Público do Acre como sendo um possível esquema de pirâmide financeira. Gabriel, entretanto, afirmou que a empresa “jamais” faria isso com seus clientes.

“Jamais. Uma pirâmide financeira, quando ela quebra, os proprietários fogem, somem com dinheiro ou algo do gênero. A gente não é uma pessoa nesse sentido”, disse o bolsonarista.



Participe de nossa comunidade no WhatsApp, clicando nesse link

Entre em nosso canal do Telegram, clique neste link

Baixe nosso app no Android, clique neste link

Baixe nosso app no Iphone, clique neste link


Veja Também
Tópicos
SEÇÕES