Ensino público do Paraná: Assembleia aprova gestão privada em 200 escolas

A proposta, que tramitou rapidamente, foi apresentada pelo governador Ratinho Júnior e agora segue para sanção do governo estadual.

Avalie a matéria:
Manifestantes na Assembleia Legislativa do Paraná | Orlando Kissner

A Assembleia Legislativa do Paraná aprovou nesta terça-feira (04) o projeto de lei que cria o Programa Parceiro da Escola. A proposta, que tramitou rapidamente, foi apresentada pelo governador Ratinho Júnior e agora segue para sanção do governo estadual. Este projeto permite a formalização de parcerias entre as escolas públicas do Paraná e entidades privadas especializadas em gestão educacional.

Parceiro da Escola

O governo estadual defende que o Programa Parceiro da Escola tem como objetivo aliviar os gestores escolares de responsabilidades administrativas e financeiras, permitindo que se concentrem nos aspectos pedagógicos. A proposta visa melhorar a eficiência na liderança escolar e criar um ambiente mais propício para o ensino e a aprendizagem dos alunos.

Reação de estudantes

A aprovação do projeto gerou protestos significativos. Cerca de 200 estudantes ocuparam a Assembleia Legislativa por 24 horas, manifestando-se contra a proposta. Larissa Souza, uma das líderes do movimento estudantil, afirmou que o projeto representa uma privatização disfarçada, afetando profundamente a educação pública do estado ao entregar a gestão de 200 escolas à iniciativa privada.

O que aconteceu na votação?

Apesar dos protestos, a sessão de votação foi mantida. Os manifestantes tentaram impedir a votação ocupando o espaço, o que levou a confrontos com a segurança da Assembleia, incluindo o uso de gás lacrimogêneo. A ocupação terminou após uma liminar de reintegração de posse concedida pelo Tribunal de Justiça do Paraná, destacando que os manifestantes excederam o direito de reunião e representavam risco ao patrimônio público.

Conteúdo do texto

O texto aprovado permite a parceria com entidades privadas em todas as instituições da rede estadual de ensino, exceto em ilhas, aldeias indígenas, comunidades quilombolas e prédios cedidos ou alugados de instituições religiosas. Também exclui unidades prisionais e entidades ligadas à Polícia Militar ou ao programa cívico-militar. A gestão de recursos federais permanecerá sob controle do presidente da unidade executora própria.

Trâmite

Antes da formalização dos contratos, haverá uma consulta pública na comunidade escolar. Larissa Souza e outros líderes estudantis planejam conscientizar a comunidade acadêmica sobre os riscos do programa, lutando para que estudantes maiores de 16 anos possam participar da votação. Eles pretendem barrar a adesão ao programa nas 200 escolas, defendendo uma maior participação e debate sobre a proposta.



Participe de nossa comunidade no WhatsApp, clicando nesse link

Entre em nosso canal do Telegram, clique neste link

Baixe nosso app no Android, clique neste link

Baixe nosso app no Iphone, clique neste link


Veja Também
Tópicos
SEÇÕES