Julgamento da cassação do mandato do senador Sergio Moro começa hoje no TSE

Processos apontam abuso de poder econômico, uso de caixa dois e utilização indevida de meios de comunicação em pré-campanha

Avalie a matéria:
Senador Sérgio Moro | Foto: Isac Nóbrega/PR
FACEBOOK WHATSAPP TWITTER TELEGRAM MESSENGER

Nesta quinta-feira (16), o TSE inicia o julgamento das ações que solicitam a cassação do mandato do senador Sergio Moro (União Brasil-PR). O tribunal agendou também um segundo dia para concluir o julgamento em 21 de maio. As alegações nos processos, avaliados em conjunto, incluem acusações de abuso de poder econômico, práticas de caixa dois e uso inadequado de meios de comunicação durante a pré-campanha eleitoral de 2022.

DINÂMICA DO JULGAMENTO

Na prática, o julgamento começará com a leitura do relatório. Posteriormente, as defesas de Moro e dos acusadores terão oportunidade de se manifestar. Em seguida, o Ministério Público Federal apresentará seu parecer e o julgamento seguirá com o voto do relator. Os demais ministros então proferirão seus votos. 

PRECEDENTE SERÁ ABERTO

O julgamento de Moro no TSE estabelecerá um precedente significativo para a atuação da Justiça Eleitoral em casos envolvendo gastos de candidatos durante o período pré-eleitoral. Na semana passada, o ministro Floriano Marques, relator do caso, autorizou o julgamento dos recursos interpostos contra a decisão do TRE-PR (Tribunal Regional Eleitoral do Paraná), que havia rejeitado a cassação do mandato do senador em 9 de abril.  

O QUE DIZ O MINISTÉRIO PÚBLICO

Segundo o Ministério Público, aproximadamente R$ 2 milhões, provenientes do Fundo Partidário, foram gastos com o evento de filiação de Moro ao Podemos e com a produção de vídeos para promoção pessoal, além de consultorias eleitorais. O PL alegou supostos gastos irregulares de R$ 7 milhões, enquanto o PT citou R$ 21 milhões.

O QUE DIZ A DEFESA DE MORO

Os advogados de Moro defenderam a manutenção do mandato, refutando as alegações de irregularidades na pré-campanha. Segundo Gustavo Guedes, advogado do senador, Moro não se elegeu no Paraná devido à suposta pré-campanha "mais robusta", conforme acusaram as legendas.  



Participe de nossa comunidade no WhatsApp, clicando nesse link

Entre em nosso canal do Telegram, clique neste link

Baixe nosso app no Android, clique neste link

Baixe nosso app no Iphone, clique neste link


Tópicos
SEÇÕES