Lula seguirá negociando PEC, mesmo após decisão de Gilmar, diz Haddad

Futuro ministro da Economia foi questionado sobre decisão de Gilmar Mendes segundo a qual verba para renda mínima está fora do teto de gastos. Previsão da Câmara é votar PEC nesta terça

Avalie a matéria:
Haddad | reprodução

Já anunciado pelo presidente eleito Lula como futuro ministro da Economia, o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad afirmou nesta segunda-feira (19) que o governo eleito seguirá buscando no Congresso Nacional a aprovação da proposta conhecida como PEC da Transição.

Haddad deu a declaração após ter sido questionado sobre a decisão do ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), segundo a qual os recursos para bancar a renda mínima para os cidadãos devem ficar fora do teto de gastos.

Lula seguirá negociando PEC, mesmo após decisão de Gilmar, diz Haddad

"No que me diz respeito, a negociação permanece porque é importante para o país apostar na boa politica, na negociação e na institucionalidade para a gente dar robustez para a politica econômica que vai ser anunciada e que vai aplacar os ânimos e mostrar que o Brasil vai estar no rumo certo a partir de 1º de janeiro", declarou Haddad.

A decisão de Gilmar acontece em meio à tentativa do governo eleito de aprovar no Congresso uma Proposta de Emenda à Constituição que, entre outros pontos, eleva o teto de gastos para garantir o pagamento de R$ 600 mensais do Auxílio Brasil (que voltará a se chamar Bolsa Família) mais R$ 150 por família com criança de até 6 anos de idade.

N prática, a decisão de Gilmar Mendes retira pressão de Lula, uma vez que o presidente eleito conseguirá cumprir a promessa de campanha (manter o Bolsa Família em R$ 600) sem precisar ceder a negociações que envolvam, por exemplo, cargos em ministérios.

A decisão do ministro do STF acontece em um momento no qual o governo eleito vem negociando com o Congresso Nacional, por meio da PEC da transição, a abertura de um espaço adicional para despesas no teto de gastos de R$ 168 bilhões por dois anos. A medida foi aprovada no Senado, mas encontra dificuldades na Câmara dos Deputados.

Questionado se o governo eleito passar a ter mais tranquilidade com a decisão do ministro Gilmar Mendes, possibilitando um plano B no caso de dificuldades no Legislativo, Haddad afirmou que "sempre joga no Plano A". "Que é o plano que dá robustez, indica um caminho", acrescentou.

De acordo com ele, entretanto, a decisão de Gilmar Mendes dá conforto para os beneficiários do bolsa família de que eles não ficarão desamparados "desentendimento no Congresso Nacional".

"É muito importante dar o conforto para as famílias de que não haverá nenhum tipo de prejuízo do programa mais exitoso criado pelo presidente Lula, de transferência de renda. Dá conforto para as famílias. É muito importante, mas vamos perseverar no caminho da institucionalidade e da boa politica", avaliou.



Participe de nossa comunidade no WhatsApp, clicando nesse link

Entre em nosso canal do Telegram, clique neste link

Baixe nosso app no Android, clique neste link

Baixe nosso app no Iphone, clique neste link


Veja Também
Tópicos
SEÇÕES