Merlong Solano rebate governador de São Paulo: “Deveria estudar mais”

Para Merlong, a declaração do governador não passa de um discurso eleitoreiro e carregado de desconhecimento.

Avalie a matéria:
Deputado Merlong Solano | Câmara dos Deputados

O deputado federal Merlong Solano (PT) rebateu as declarações do governador de São Paulo, Rodrigo Garcia (PSDB), que reclamou do pacto federativo e da quantidade de impostos que são recolhidos no estado pela União e que deixam de beneficiar São Paulo para beneficiar “estados mais pobres”, como o Piauí e Maranhão. Para Merlong, a declaração do governador não passa de um discurso eleitoreiro e carregado de desconhecimento.

Rodrigo Garcia alegou que São Paulo deixou de ser a ‘locomotiva do Brasil’ para se tornar uma espécie de ‘burro de carga’, cuja parte significativa de seus tributos são destinados para estados pobres. É verdade que São Paulo é uma potência, uma locomotiva, mas o governador precisa estudar mais, dizer que o estado sustenta o Brasil é uma mentira grosseira, um discurso eleitoreiro que o governador está fazendo para os paulistas mais desinformados”, disse o deputado.

Deputado Merlong Solano diz que Brasil inteiro ajudou a pagar a industrialização de São Paulo (Agência Câmara)Merlong reconheceu a importância econômica de São Paulo para o país, mas destacou que todos os estados brasileiros ajudaram a pagar a industrialização do estado.

Leia Mais

“Será se o governador não sabe que o Brasil inteiro ajudou a pagar a industrialização de São Paulo? Políticas cambiais, tributárias, financeiras e industriais foram adotadas pelo governo federal no sentido de favorecer o estado. Além de priorizar para São Paulo investimentos federais para infraestrutura de transporte, energia elétrica, centros de pesquisa científica”, pontuou o petista.

O parlamentar lembrou que os estados menos industrializados são prejudicados com a receita do ICMS, imposto sobre o consumo, em que uma parte fica com o ente de origem. 

“Rodrigo Garcia se esquece do grande benefício que São Paulo e outros Estados mais industrializados tiveram até recentemente com a grande expansão do e-commerce, onde o ICMS era cobrado no estado de origem e não no de destino. E mesmo com a regulamentação do e-commerce, o estado produtor ainda fica com 7% do imposto, enquanto no mundo inteiro é arrecadado 100% no estado de destino”, disse Merlong.

O deputado citou ainda dos os royalties do petróleo e o salário educação, que ficam nos cofres do Estado de São Paulo, quando deveriam ser divididos entre os estados, e o grande montante em dívidas que o governo tem com a União. “Mesmo faturando muito com arrecadações, a incompetência do governante gerou uma alta dívida com a União. O Piauí, um estado mais pobre, com PIB mais baixo, conseguiu se organizar e não deve ao governo federal”, finalizou o parlamentar.



Participe de nossa comunidade no WhatsApp, clicando nesse link

Entre em nosso canal do Telegram, clique neste link

Baixe nosso app no Android, clique neste link

Baixe nosso app no Iphone, clique neste link


Veja Também
Tópicos
SEÇÕES