Polícia Federal apura omissão e Mauro Cid pode perder benefícios de acordo de delação

A Polícia Federal está apurando se houve omissão de informações aos investigadores sobre reunião em que Bolsonaro teria discutido golpe

Avalie a matéria:
Mauro CId pode perder benefícios de colaboração premiada | CNN

O tenente-coronel Mauro Cid, ex-ajudante de ordens de Jair Bolsonaro (PL), pode perder os benefícios de colaboração premiada, caso a Polícia Federal constate que houve omissão de informações aos investigadores. Ele será novamente ouvido pela Polícia Federal até o final de março para preencher possíveis lacunas na delação.

A desconfiança é sobre vídeo e troca de mensagens obtidas pelos agentes da investigação, que não foram apresentadas por Cid. Caso se confirme a omissão por parte do tenente-coronel, o acordo de delação premiada será cancelado. 

A defesa do tenente-coronel Mauro Cid, ex-ajudante de ordens do ex-presidente Jair Bolsonaro, argumenta que o militar não se recordava da reunião ministerial agora em foco na investigação da Polícia Federal, em que Bolsonaro teria discutido golpe, e não tem explicação para o motivo pelo qual guardou o vídeo. 

O conteúdo da reunião de 5 de julho de 2022, onde Bolsonaro teria incitado ministros a agir de forma golpista antes das eleições, foi utilizado pela PF em uma operação que atingiu o ex-presidente e membros militares próximos a ele. A defesa de Cid afirmou ao O Globo que, após a operação, o militar procurou o vídeo em seus arquivos salvos para revisar o conteúdo, mas nem sequer se lembrava da reunião. 

A defesa foi surpreendida por alguns aspectos da investigação da PF, incluindo o suposto monitoramento do ministro do STF Alexandre de Moraes e diálogos sobre o pagamento de manifestantes para ir a Brasília, pontos que devem ser esclarecidos em depoimentos futuros. 

As investigações da PF indicam que um grupo de assessores próximos a Bolsonaro teria monitorado Alexandre de Moraes com o objetivo de capturá-lo após a assinatura de um decreto de golpe de Estado. Cid e outros usavam o codinome "professora" para identificar Moraes, e seus deslocamentos entre Brasília e São Paulo coincidiam com informações relatadas pelos ex-assessores de Bolsonaro e com reuniões sobre um suposto plano golpista.

Com informações de O Globo e CNN.



Participe de nossa comunidade no WhatsApp, clicando nesse link

Entre em nosso canal do Telegram, clique neste link

Baixe nosso app no Android, clique neste link

Baixe nosso app no Iphone, clique neste link


Veja Também
Tópicos
SEÇÕES