STF mantém multa a deputado por fake news contra Lula nas eleições de 2022

Ministro Fachin rejeita recurso de Nikolas Ferreira e destaca preservação da normalidade democrática

Nikolas Ferreira | Imagem: Reprodução
FACEBOOK WHATSAPP TWITTER TELEGRAM MESSENGER

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Edson Fachin, rejeitou um recurso apresentado pelo deputado Nikolas Ferreira (PL-MG) contra uma multa de R$ 30 mil aplicada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) por disseminação de fake news durante as eleições de 2022. A decisão, datada de 26 de março, foi publicada nesta terça-feira (2).

Ao negar o pedido, Fachin destacou a importância de preservar a normalidade democrática das eleições, afirmando que "não há Estado de Direito nem sociedade livre numa democracia representativa que não preserve, mesmo com remédios amargos e limítrofes, a própria normalidade das eleições".

A Corte Eleitoral havia condenado o deputado ao pagamento da multa por propaganda irregular, após um pedido feito pela campanha do presidente Lula. Alegou-se que Nikolas Ferreira publicou um vídeo nas redes sociais contendo "números e informações fraudulentas" para induzir o eleitorado a acreditar em falsidades sobre Lula, incluindo alegações relacionadas a confisco de bens e desvio de recursos da saúde durante a pandemia.

Os advogados do parlamentar argumentaram que o conteúdo do vídeo era baseado em informações de fontes jornalísticas e que não distorceram os fatos. No entanto, Fachin rejeitou o recurso por questões processuais, afirmando que não cabe ao STF rever as conclusões do TSE sobre a violação à norma eleitoral.

Assim, a decisão do STF mantém a multa aplicada ao deputado, ressaltando a necessidade de proteger a integridade das eleições e combater a disseminação de informações falsas.



Participe de nossa comunidade no WhatsApp, clicando nesse link

Entre em nosso canal do Telegram, clique neste link

Baixe nosso app no Android, clique neste link

Baixe nosso app no Iphone, clique neste link


Tópicos
SEÇÕES