É seguro passar repelente em crianças? Médicas listam recomendações

Descubra se é seguro usar repelente de insetos em crianças e o que fazer para garantir a segurança e proteção contra o mosquito da dengue

Avalie a matéria:
Imagem ilustrativa de crianças passando repelente | Reprodução/Internet

A proteção contra a dengue - doença epidêmica que vem afetando o país de forma agravante e que já registrou 3 mil mortes confirmadas pelo mosquito somente em 2024, traz o alerta para diferentes frentes de combate, como evitar o acúmulo de água parada e manter os espaços limpos. 

Além disso, uma das ações essenciais na prevenção individual é o uso de repelentes. Se, por um lado, a prática é trivial para adultos, não é a mesma coisa quando falamos de cuidados em relação aos pequenos.

Crianças costumam ter uma pele mais fina e sensível, bem como uma imaturidade do sistema imune, especialmente até os seis meses. Portanto, tudo o que é aplicado é absorvido com maior avidez, explica Mariele Bevilaqua, dermatologista, entrevista ao G1. A médica afirma que, em crianças, a recomendação é o uso de repelente seguro somente a partir dos seis meses. 

RECOMENDAÇÕES POR IDADE

Zero a três meses de idade: não há segurança para o uso de repelentes. Nessa faixa etária, recomenda-se o uso de barreiras físicas, como roupas com mangas longas, calças que protegem até o tornozelo e meias. Além disso, deve ser usado mosquiteiro com elástico para cobrir o berço ou o carrinho, assim como telas nas portas e janelas.

De três a seis meses: pode-se utilizar repelentes à base de Icaridina 10%. Há apresentações liberadas para essa idade, porém, nem todos os repelentes à base de Icaridina têm essa concentração. Por esse motivo, é importante ler a embalagem.

De seis meses a dois anos: Icaridina 20% - infantil; IR3535.

Maiores de dois anos: DEET; Icaridina; IR3535.

A recomendação - principalmente no avanço dos casos de dengue, é utilizar o produto diariamente, principalmente em locais com exposição intensa a insetos. Além da embalagem do produto especificar a faixa etária destinada, também está descrita a quantidade de aplicações ao longo de 24 horas – definida com base na idade da criança.

ALERTA SOBRE O MAU USO

Segundo a pediatra Carmem Lucia Oliveira da Silva, em entrevista ao G1, os riscos de não respeitar as recomendações e utilizar o produto de maneira errada vão desde irritação na pele e mucosas, passando por eventos alérgicos, até alterações do sistema nervoso central, como tontura, dor de cabeça, tremores e convulsões.

"Mesmo passando certo, pode acontecer, se não respeitar a frequência preconizada. Às vezes, o familiar fica tão preocupado em proteger a criança que passa o repelente várias vezes ao dia, sem respeitar o intervalo", afirma.



Participe de nossa comunidade no WhatsApp, clicando nesse link

Entre em nosso canal do Telegram, clique neste link

Baixe nosso app no Android, clique neste link

Baixe nosso app no Iphone, clique neste link


Veja Também
Tópicos
SEÇÕES