Daniel Alves não usou camisinha, diz advogada de mulher que acusa atleta

Ela afirma que o jogador não utilizou preservativo na noite do suposto crime, em Barcelona, onde Daniel está preso provisoriamente

Avalie a matéria:
Daniel Alves não usou camisinha, diz advogada de mulher que acusa atleta | Ascom

Tratamento psiquiátrico para amenizar noites insones, medicações antivirais para evitar infecções sexualmente transmissíveis e fuga dos conteúdos de televisões e sites de notícias: tem sido esse o dia a dia da mulher espanhola que acusa Daniel Alves de estupro, segundo sua advogada, Ester García Lopez. 

Ela afirma que o jogador não utilizou preservativo na noite do suposto crime, em Barcelona, onde Daniel está preso provisoriamente. As informações são do UOL Esporte.

Ester falou com exclusividade ao UOL Esporte por mais de uma hora, na primeira entrevista concedida por ela a um veículo de imprensa. Ela afirma, ainda, que a mulher teme ter sua identidade revelada e que não tem uma noite de sono completa desde a noite em que Daniel Alves a teria agredido sexualmente, em dezembro do ano passado. A íntegra da entrevista será publicada nesta quinta-feira (26).

Segundo a advogada, a mulher que acusa Daniel está fazendo um tratamento pesado com um coquetel de medicações antivirais, pelo fato de o jogador não ter utilizado preservativo.

Daniel Alves não usou camisinha, diz advogada de mulher que acusa atleta - Foto: Reprodução

"Ela está recebendo apoio psicológico por meio de uma entidade pública especializada em tratar vítimas de violência. O hospital prescreveu todo um tratamento dirigido a evitar qualquer tipo de doença infecto-contagiosa, porque não foi utilizado nenhum preservativo. Ela também tem um tratamento farmacológico com ansiolíticos para poder dormir, mas me disse que não consegue desde o depoimento".

"Por sorte, ela saiu da discoteca de ambulância e foi direto para a Unidade Central de Agressão Sexual (UCAS). Então, diferentemente do que acontece com a maior parte das vítimas de violência sexual, que, por nojo, lavam suas roupas íntimas, ela não teve tempo de pensar nisso. Ela foi atendida rapidamente, enquanto os indícios permaneciam lá."

Ainda de acordo com Ester, a mulher não ingeriu álcool na noite do suposto crime, o que teria facilitado suas lembranças sobre o ocorrido. "Ela deu um depoimento conciso, sem qualquer contradição, e isso é raro. Muitas mulheres sofrem de estresse pós-traumático e esquecem detalhes, se lembram depois, e isso não invalida a verdade. Mas no caso dela, isso não aconteceu. Ela se lembrava de tudo, do início ao fim. Isso, junto à possibilidade de fuga por parte do senhor Alves, que tem uma condição financeira favorável e dupla nacionalidade, foram determinantes para a prisão".

Por meio de sua assessoria de imprensa, Daniel Alves negou qualquer violência sexual, e afirmou que a defesa tem novo prazo até quinta-feira para apresentação de recurso

Leia Mais


Participe de nossa comunidade no WhatsApp, clicando nesse link

Entre em nosso canal do Telegram, clique neste link

Baixe nosso app no Android, clique neste link

Baixe nosso app no Iphone, clique neste link


Tópicos
SEÇÕES