Leila Pereira pede adiamento e tem nova data para depor na CPI das Apostas

A mandatária do clube paulista pediu a mudança na data por conta de outros compromissos e deve comparecer ao Senado para depor no dia 5 de junho

Avalie a matéria:
Leila Pereira durante participação do Roda Viva | Reprodução

A presidente do Palmeiras, Leila Pereira, solicitou o adiamento de sua participação no depoimento à CPI da Manipulação de Jogos e Apostas Esportivas. O motivo do pedido foi a necessidade de atender a outros compromissos. Ela agora está programada para comparecer ao Senado Federal e depor no dia 5 de junho. Inicialmente, o depoimento estava marcado para esta quarta-feira, às 11 horas (horário de Brasília), após o convite feito pelo presidente da CPI, Jorge Kajuru (PSB-GO), em 15 de abril. 

DEPOIMENTO DE JOHN TEXTOR

No dia 26 do mês passado, John Textor, proprietário da SAF do Botafogo, prestou depoimento em uma sessão que durou mais de três horas. Posteriormente, em uma reunião confidencial, ele entregou o material que afirma conter evidências de manipulação de jogos no futebol brasileiro ao presidente da CPI, Jorge Kajuru (PSB-GO), ao relator e ex-jogador Romário (PL-RJ) e outros senadores que estavam presentes. 

O QUE DISSE JORGE KAJURU

Após revisar o relatório de 180 páginas, Kajuru afirmou que identificou "indícios suficientes para iniciar investigações". Como resultado, ele planeja solicitar o depoimento de outras personalidades. Além de Leila Pereira, o presidente do São Paulo, Júlio Casares, também recebeu convite para prestar depoimento. 

SOBRE O CASO

Textor mencionou a vitória do Palmeiras por 5 a 0 sobre o São Paulo no Campeonato Brasileiro de 2023, alegando manipulação por parte do time adversário. Em resposta, Leila Pereira criticou as declarações do empresário e exigiu punição, com o clube entrando com uma ação no STJD para impedir acusações sem provas. 

(Com informações do Gazeta Esportiva)

Veja Também
Tópicos
SEÇÕES