Como funcionava grupo religioso liderado por família de ex-sinhazinha

O grupo realizava rituais onde promoviam o uso indiscriminado de cetamina, droga sintética de uso veterinário com efeitos alucinógenos e, às vezes, as vítimas eram submetidas à violencia sexual e aborto.

Avalie a matéria:
A Polícia Cívil do Amazonas investiga a hipótese de que a empresária e ex-sinhazinha do Boi Garantido, Djidja Cardoso, tenha sido assassinada por um grupo religioso | Foto: Reprodução

A Polícia Cívil do Amazonas investiga a hipótese de que a empresária e ex-sinhazinha do Boi Garantido, Djidja Cardoso, tenha sido assassinada por um grupo religioso, denominado "Pai, Mãe, Vida", liderado pela própria mãe e o irmão. O crime ocorreu na terça-feira (28) em Manaus.

COMO O GRUPO ATUAVA?

O grupo realizava rituais onde promoviam o uso indiscriminado de cetamina, droga sintética de uso veterinário com efeitos alucinógenos e, às vezes, as vítimas eram submetidas à violencia sexual e aborto. Além da família de Djidja, outros três funcionários são envolvidos. Os cinco estão presos. 

Prisão dos acusados de matar Djidja, em Manaus | FOTO: Reprodução

Os líderes

  • Ademar (irmão) era Jesus Cristo;
  • Cleudimar (mãe) era Maria;
  • Djidja seria Maria Madalena.

Eles defendiam o uso da cetamina como uma forma de alcançar a elevação espiritual.

Os recrutadores

  • Verônica, Claudiele e Marlisson, seriam os encarregados de comprar e administrar a droga para quem quisesse experimentá-la.

OUTRAS VÍTIMAS

A Polícia Cívil apurou ainda que o grupo também tentava convencer outros funcionários e pessoas próximas à família a se associarem, onde a cetamina era usada.

Djidja, a mãe Cleusimar Cardoso e o irmão, Ademar Cardoso | FOTO: Redes Sociais

ONDE OCORRIAM OS RITUAIS?

As evidências da polícia apontam que os rituais eram realizados dentro dos salões de beleza e na residência da família.

Apesar da polícia afirmar sobre a seita do grupo e que isso tenha relação com a morte de Djidja, a defesa dos acusados nega. 

“Não, a defesa inclusive contesta a todas essas alegações. O que se tem conhecimento são supostos vazamentos que a defesa não pode confirmar neste presente momento, principalmente se isso existe no inquérito que está em andamento. O inquérito ainda não fechou, o que aparentemente foi demonstrado é que existem supostos indícios nesses indícios materialidade e autorias estão confirmados ainda”, disse o advogado Sam Barbosa à TV Meio.



Participe de nossa comunidade no WhatsApp, clicando nesse link

Entre em nosso canal do Telegram, clique neste link

Baixe nosso app no Android, clique neste link

Baixe nosso app no Iphone, clique neste link


Veja Também
Tópicos
SEÇÕES