Conheça os três projetos polêmicos travados na Câmara por falta de emendas

Neste ano, as prioridades do governo são a regulamentação da reforma tributária e acordos que viabilizem a extinção gradual da desoneração da folha de 17 setores da economia e dos municípios

Avalie a matéria:
Parlamentares na Câmara dos Deputados (à esquerda) e presidente Lula (à direita) | Montagem/MeioNews

Desde o início de seu terceiro mandato, o presidente Lula (PT) enfrenta dificuldades na relação com a Câmara dos Deputados, comandada por Arthur Lira (PP-AL) e dominada pelo Centrão. Apesar de os partidos de esquerda serem minoritários na Casa, o presidente conseguiu aprovar no ano passado pontos importantes de sua agenda, como o novo marco fiscal e medidas destinadas a aumentar a arrecadação. Entretanto, a estabilidade dessa aliança é constantemente posta à prova pelas diversas prioridades e interesses políticos que permeiam o Congresso.

prioridades do governo

Neste ano, as prioridades do governo são a regulamentação da reforma tributária e acordos que viabilizem a extinção gradual da desoneração da folha de 17 setores da economia e dos municípios. Negociações nesse sentido estão em curso e caminham para um entendimento, que deve ser facilitado pela decisão do Planalto de empenhar uma quantidade recorde de emendas parlamentares nos quatro primeiros meses de 2024. Esse movimento busca garantir o apoio necessário para a aprovação das propostas mais críticas para o governo.

Relação Lula, Lira e Centrão

Uma pesquisa Genial/Quaest realizada com 183 deputados federais mostrou que 58% deles consideram provável a aprovação da regulamentação da reforma tributária, que é objeto de concordância entre Lula, Lira e o Centrão. Apenas 8% disseram ser improvável a chancela a essa iniciativa. No entanto, o mesmo otimismo não se aplica a outras propostas, que encontram maior resistência e polêmica entre os parlamentares, refletindo o clima de incerteza e disputa política que caracteriza o cenário atual.

projetos rejeitados

Entre os projetos rejeitados, destaca-se o PL das Fake News, com 45% dos deputados entrevistados afirmando ser improvável sua aprovação. Já 25% acreditam na viabilidade do texto, que se transformou em munição no embate político. Defensores do projeto alegam que ele coibirá a proliferação de informações falsas e ameaças à democracia na internet, enquanto bolsonaristas argumentam que o objetivo é cercear a liberdade de expressão.

Outra proposta que enfrenta rejeição é a PEC do Quinquênio, com apenas 17% de apoio, e a reforma administrativa, com 13%. Ambos os projetos estão longe de alcançar consenso, ilustrando as dificuldades do governo em implementar reformas estruturais num Congresso dividido.

Para mais informações, acesse meionews.com

Leia Mais


Participe de nossa comunidade no WhatsApp, clicando nesse link

Entre em nosso canal do Telegram, clique neste link

Baixe nosso app no Android, clique neste link

Baixe nosso app no Iphone, clique neste link


Veja Também
Tópicos
SEÇÕES