Defesa de 200 réus do 8/1 busca acordo com PGR para livrá-los da prisão

O acordo impõe medidas restritivas de liberdade, incluindo o uso de tornozeleira eletrônica e a entrega do passaporte

Avalie a matéria:
Atos golpistas do 8 de janeiro | Reprodução

Cerca de 200 advogados, representando réus acusados de participação nos atos antidemocráticos ocorridos em 8 de janeiro, entraram em contato com a Procuradoria-Geral da República (PGR) para expressar interesse em negociar acordos de não persecução penal. Até o momento, a PGR ainda não finalizou suas propostas, mas a expectativa é que isso ocorra até o final desta semana.

Os acordos em questão visam beneficiar 1.156 indivíduos denunciados por crimes de associação criminosa e incitação, que consistem em instigar animosidade entre as Forças Armadas e as instituições. As penas previstas para essas condutas são inferiores a quatro anos de prisão. No entanto, é importante destacar que pessoas flagradas depredando prédios públicos na Praça dos Três Poderes ou suspeitas de organização e financiamento dos atos não serão elegíveis para esse tipo de acordo.

Leia Mais

Para se qualificar para esse benefício, o investigado precisa confessar o crime e ser réu primário. Em troca, o réu evitará um processo judicial e, portanto, não será detido. Além disso, caso o acordo seja rigorosamente cumprido, o denunciado não perderá sua condição de réu primário.

Aqueles que aceitarem o acordo estarão sujeitos a medidas restritivas de liberdade, incluindo o uso de tornozeleira eletrônica, a entrega do passaporte e a obrigação de se apresentar periodicamente a um juiz. Fontes da PGR também sugerem que está sendo considerada a aplicação de multas aos investigados, de acordo com sua condição financeira individual.

Os detalhes específicos dos acordos ainda estão em fase de finalização e são mantidos sob sigilo. Após a assinatura dos termos pelos advogados e pela PGR, eles serão encaminhados ao ministro Alexandre de Moraes, relator dos processos no Supremo Tribunal Federal (STF). A expectativa é que Moraes homologue os acordos.

Em 22 de junho, o ministro da Suprema Corte estabeleceu um prazo de 120 dias para que a PGR decidisse se proporia ou não esses acordos ao grupo de denunciados. Enquanto essa resposta não for apresentada, as ações penais contra os réus que podem ser beneficiados permanecerão suspensas.

Para mais informações, acesse Meionorte.com

Veja Também
Tópicos
SEÇÕES