Ministra defende regras para serviços streaming como Netflix e Primevideo

Margareth Menezes apontou que serviços de streaming não se submetem a regras de outros setores audiovisuais.

Avalie a matéria:
Margareth Menezes em audiência no Senado | Geraldo Magela/Agência Senado

A ministra da Cultura, Margareth Menezes, compareceu à audiência na Comissão de Educação (CE) no Senado na última terça-feira, 09 de maio, para apresentar os planos do Ministério da Cultura no atual governo. Durante a sessão, ela defendeu a regulamentação de serviços de streaming e de direitos autorais na internet, apoiando a regulamentação de áreas como os VOD (Video On Demand, serviços em que o usuário escolhe o vídeo que quer assistir).

Nesse sentido, a líder da pasta apontou que serviços de streaming não se submetem a regras de outros setores audiovisuais, como a taxa da Contribuição para o Desenvolvimento da Indústria Cinematográfica Nacional (Condecine), com alíquota de 11% sobre os lucros de produções audiovisuais enviados ao exterior. A regulamentação desses serviços é uma pauta prioritária na Agência Nacional do Cinema (Ancine) e, segundo a ministra, o MinC está estudando propostas já existentes e analisando o que existe em outros países para propor um projeto renovado e atualizado.

Leia Mais

A ministra também vê urgência na regulamentação de direitos autorais no ambiente digital e revelou que o MinC está trabalhando para apresentar uma proposta nessa área. No entanto, ela mencionou dificuldades sobre a regulamentação na área de inteligência artificial (IA) ao responder questionamento da senadora Leila Barros (PDT-DF), que trouxe exemplo do impacto que os avanços tecnológicos têm trazido ao mercado cultural.

Durante a audiência, Margareth defendeu a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 2/2023, que insere a cultura entre os direitos sociais na Carta Magna. Segundo a ministra, a medida elevará a cultura à condição de política de Estado e é importantíssima para que nunca mais se desmonte o Ministério da Cultura. Ela também ressaltou que a recriação do MinC foi apreciada em todos os depoimentos dos senadores presentes.

O senador Flávio Arns (PSB-PR) relembrou a carreira musical de Margareth Menezes, cantora baiana e ativista cultural, com laços com a cultura africana. Ele ressaltou que ela conhece a cultura na teoria e na prática e tem toda a abertura para a cultura popular brasileira, apresentando também os desafios dessa área que sofreu tanto no decorrer da pandemia.

A senadora Damares Alves (Republicanos-DF) observou que a ministra enfrentará muitos desafios e pediu atenção para o setor artístico religioso. Ela também solicitou que Margareth trouxesse o movimento gospel para próximo do MinC, considerando o fenômeno que está acontecendo no Brasil e a indicação do IBGE de que, em poucos anos, o movimento poderá atingir 52% da população.



Participe de nossa comunidade no WhatsApp, clicando nesse link

Entre em nosso canal do Telegram, clique neste link

Baixe nosso app no Android, clique neste link

Baixe nosso app no Iphone, clique neste link


Veja Também
Tópicos
SEÇÕES