Moraes põe freio em ofensiva contra bolsonarismo e reduz tom de decisão no STF

Essa mudança, segundo fontes próximas ao Supremo, visa reduzir os conflitos com o Congresso e conter os ataques dos apoiadores de Bolsonaro ao Judiciário

Avalie a matéria:
Alexandre de Moraes, Michelle Bolsonaro e Jair Bolsonaro sérios | Montagem/MeioNews
FACEBOOK WHATSAPP TWITTER TELEGRAM MESSENGER

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes, tem adotado uma postura mais cautelosa nas últimas decisões que envolvem o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) e seus aliados. Essa mudança, segundo fontes próximas ao Supremo, visa reduzir os conflitos com o Congresso e conter os ataques dos apoiadores de Bolsonaro ao Judiciário.

PERSEGUIÇÃO JUDICIAL: Ao colocar um freio na rigidez das decisões, Moraes busca diminuir a ideia pública de que Bolsonaro está sendo perseguido pelo STF. Essa estratégia não é apenas do ministro, mas também de outras autoridades em tribunais superiores, como o ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Floriano de Azevedo Marques, e o procurador-geral da República, Paulo Gonet.

A ideia de botar Jair Bolsonaro como "vítima" estava sendo amplamente difundida pelos apoiadores - Foto: Reprodução

BOLSONARO COMO “VÍTIMA”: Essa postura mais comedida surge em meio a um contexto político tenso, no qual Bolsonaro frequentemente se apresenta como vítima de perseguição judicial. Em fevereiro, por exemplo, o ex-presidente teve seu passaporte apreendido por ordem de Moraes, durante uma operação que mirava tanto Bolsonaro quanto seus aliados, incluindo militares de alta patente.

MAURO CID: Recentemente, o ministro também soltou o tenente-coronel Mauro Cid, ex-ajudante de ordens de Bolsonaro, que estava detido desde março. A medida foi tomada após análise do material apreendido e da manutenção integral do acordo de colaboração premiada do militar. No entanto, Bolsonaro ainda está sob investigação em diversos inquéritos no STF, que foram prorrogados até o segundo semestre deste ano por decisão de Moraes.

Para mais informações, acesse meionews.com

Leia Mais


Participe de nossa comunidade no WhatsApp, clicando nesse link

Entre em nosso canal do Telegram, clique neste link

Baixe nosso app no Android, clique neste link

Baixe nosso app no Iphone, clique neste link


Tópicos
SEÇÕES