Pablo Marçal crava qual chance de Boulos vencer e dispara sobre Nunes: “esconde Bolsonaro”

Ele mencionou que até os ataques de Boulos, que o chamou de “coach picareta”, acabam contribuindo para sua visibilidade.

Avalie a matéria:
Pablo Marçal, conhecido por sua atuação como coach, utilizou a metáfora para justificar sua entrada na campanha. | Reprodução/Divulgação

Em entrevista à Folha de S.Paulo, o bolsonarista Pablo Marçal, pré-candidato à prefeitura de São Paulo pelo PRTB, deixou claro seu principal objetivo na disputa: impedir a eleição de Guilherme Boulos (PSOL). 

Marçal, conhecido por sua atuação como coach, utilizou a metáfora para justificar sua entrada na campanha.

Leia Mais

"Eu sou uma picareta, no feminino, que é uma ferramenta de trabalho para remover essa pedra do caminho", declarou, referindo-se a Boulos.

Marçal descartou qualquer possibilidade de aliança ou desistência em favor do atual prefeito Ricardo Nunes (MDB)

"Não tenho nenhum tipo de acordo com ele. Dificilmente a gente vai ter. Não tem chance de eu ser vice dele, nem de ninguém, nem de desistir", afirmou.

Sobre a gestão de Nunes, Marçal reconheceu que o prefeito tem acelerado suas ações recentemente, mas criticou a inconsistência ao longo do mandato. 

"Ele parece ser uma pessoa muito boa. Olhando o que ele está fazendo, está muito bom agora. O problema é que não é assim o tempo todo. Nesses últimos tempos, ele acelerou e está usando o caixa todo de uma vez para mostrar que está fazendo serviço."

Quando questionado sobre as chances de Boulos vencer a eleição, Marçal foi categórico: 

"Zero. São Paulo não vai errar nunca mais. Não faz sentido colocar demagogo aqui. Promete acabar com a fome, mas não acaba. As pessoas com internet na mão —e isso vai ajudar a resolver essa eleição— não são bobas mais."

Estratégia nas Redes Sociais e Relação com Bolsonaro

Marçal revelou que pretende utilizar fortemente as redes sociais em sua campanha, um terreno no qual ele já tem experiência significativa. Ele mencionou que até os ataques de Boulos, que o chamou de “coach picareta”, acabam contribuindo para sua visibilidade.

"O próprio Boulos está ajudando [a divulgar ao chamá-lo de 'coach picareta']. Ele está certo: eu sou uma picareta, no feminino, que é uma ferramenta de trabalho para remover essa pedra do caminho."

A relação de Marçal com o ex-presidente Jair Bolsonaro também foi tema da entrevista. Embora deseje o apoio de Bolsonaro, ele reconheceu as dificuldades em consegui-lo

"Bolsonaro deu uma granada sem pino na mão do Nunes. Não tem como ter o apoio do Bolsonaro se o vice não for o coronel [Ricardo] Mello. O problema é que o Nunes não assume ele [Bolsonaro] porque eles não são compatíveis ideologicamente."

Apesar de não concordar integralmente com Bolsonaro, Marçal destacou que compartilham crenças similares

"Não concordo nem 100% com a minha esposa. Agora, a gente tem um sistema de crença muito parecido. Bolsonaro tem o estilo dele, eu sou mais ponderado, ele é mais explosivo. Não posso assinar embaixo da ideologia dele. Eu não sou comunista, não sou capitalista, eu sou governalista. Eu quero ver o povo levantando."

Veja Também
Tópicos
SEÇÕES