José Osmando

Coluna do jornalista José Osmando - Brasil em Pauta

Por que tragédia no Rio Grande do Sul não é “natural”?

É urgente, sobretudo às autoridades, que ao reconhecer essa realidade, adotem-se planos sérios e consistentes.

Avalie a matéria:
FACEBOOK WHATSAPP TWITTER TELEGRAM MESSENGER

Cientistas e ambientalistas que falam agora à imprensa, apontam o governador Eduardo Leite, do Rio Grande do Sul, como parte importante na culpa pelas mudanças climáticas que favoreceram as tragédias que se abatem sobre o Estado. Dizem que desde 2019 o governo estadual enfraqueceu as normas ambientais, eliminando pontos importantes da legislação até então vigente. Isso permitiu que crescessem as brechas para uso de áreas de preservação, e se afrouxasse o controle do poder público sobre atividades com alto risco de degradação.

Diante do que acontece, é louvável o trabalho que tem sido feito para dar assistência à população do Rio Grande do Sul, atingida por essa catástrofe sem precedentes na história do Estado. É notável a imensa solidariedade que para lá foi transportada por pessoas de todas as partes do país, num imenso voluntariado, assim como o empenho de autoridades, a partir da Presidente da República, para que não falte apoio a essa gente sofrida.

O que se vê ali é uma gigantesca corrente de união nacional, na tarefa inicial, urgentíssima, de socorro a quem perdeu tudo, de consolo a quem perdeu seus entes queridos, mas, num segundo momento de reconstruir o que foi e ainda está sendo destruído.

Mas me parece urgente que todos reconheçam que esse episódio não é um ”desastre natural”. Essa era a forma com que autoridades e pessoas comuns costumeiramente tratavam esse tipo de ocorrências, pelo simples fato de que os estragos aconteciam por obra da “natureza”, pela força das chuvas, do transbordamento de rios e lagos, da elevação do nível dos mares, sem controle pelos humanos.

Rio Guaíba após chuvas intensas na região da Usina do Gasômetro, cartão-postal de Porto Alegre - Foto: Gilvan Rocha/Agência Brasil

No caso presente, vê-se provado que essa questão gravíssima não pode jamais ser “naturalizada”. O que os céus estão fazendo, derramando água de maneira incomum, encontra resposta clara na ação dos humanos sobre a Terra, que a cada instante é golpeada pela mão do homem, no seu ímpeto de plantar, colher e lucrar, tendo para tanto que destruir, aí sim, o que antes era simplesmente “natural”, as nossas reservas de florestas e biomas.

Eram esses elementos nativos, originais, que foram progressivamente sendo dizimados, varrendo-se o chão de qualquer vestígio que impedisse o desfile glorioso das máquinas pesadas e equipamentos sofisticados, das motoserras, na ânsia de ocupação territorial, pelo lucro a qualquer custo. Com isso, perdeu-se o equilíbrio que ambiente exigia fosse preservado.

Os episódios mortais registrados nas regiões serranas do Rio de Janeiro, nos anos 2010 e 2011, ou em São Sebastião, em São Paulo, em 2023, somam-se aos infortúnios que agora atingem o Rio Grande, numa demonstração de que o chão foi preparado para não suportar a força das torrentes, servindo de áreas propícias, desimpedidas, para a passagem da tragédia das águas.

É urgente, sobretudo às autoridades, que ao reconhecer essa realidade, adotem-se planos sérios e consistentes para aos poucos ir-se salvando o que ainda resta e recuperando o que for possível do que foi dizimado. Ainda há esperança, mas é preciso coragem e boa vontade para a tarefa da restauração.



Participe de nossa comunidade no WhatsApp, clicando nesse link

Entre em nosso canal do Telegram, clique neste link

Baixe nosso app no Android, clique neste link

Baixe nosso app no Iphone, clique neste link


Tópicos
SEÇÕES