Com água baixa, Porto Alegre agora vive com ratos, animais mortos e mau cheiro

O cenário é desolador, com casas e comércios destruídos, deixando os moradores dos bairros Menino Deus, Cidade Baixa e Centro Histórico em meio a um ambiente de desolação e insalubridade

Avalie a matéria:
Peixe, rato e lixo deixados pelas enchentes no RS | Montagem/MeioNews
FACEBOOK WHATSAPP TWITTER TELEGRAM MESSENGER

A cidade de Porto Alegre, atingida pela pior enchente desde 1941, enfrenta agora as dolorosas consequências da inundação do Rio Guaíba. O cenário é desolador, com casas e comércios destruídos, deixando os moradores dos bairros Menino Deus, Cidade Baixa e Centro Histórico em meio a um ambiente de desolação e insalubridade. Animais mortos, esgoto exposto e um odor desagradável impregnam as ruas, enquanto os residentes tentam lidar com a situação.Duas pessoas trafegando em rua inundada e com lixo no RS - Foto: Reprodução

CASAS DE BOMBAS EM OPERAÇÃO

A esperança surge com o retorno parcial das operações das casas de bombas, responsáveis por drenar as águas das ruas. Das 23 unidades do sistema anticheias, 19 foram desligadas devido à enchente ou ao risco elétrico. Agora, nove estão em operação, segundo informações do Departamento Municipal de Água e Esgoto (Dmae), trazendo um alívio parcial para algumas áreas da cidade.

Homem olhando para os sacos de lixo deixados pelas enchentes no RS - Foto: Reprodução

ANIMAIS MORTOS E MAU CHEIRO

Os relatos dos moradores trazem à tona o drama vivido por quem enfrenta as consequências diretas da inundação. Katia Toledo, assistente de câmbio residente no Menino Deus, descreve a batalha diária para limpar seu condomínio, agora infestado por animais mortos e o mau cheiro do esgoto. Situações similares são vivenciadas por Mateus Marchant na Cidade Baixa, que descreve a água suja e os resíduos flutuantes nas ruas como um verdadeiro pesadelo.

Peixe morto deixado pelas enchentes no RS - Foto: Reprodução

DIMENSÃO DA TRAGÉDIA

A tragédia não se restringe apenas a Porto Alegre. No Rio Grande do Sul, os números são alarmantes: 149 vítimas fatais, 108 desaparecidos e 806 feridos, segundo informações da Defesa Civil. Mais de 600 mil pessoas estão desabrigadas ou desalojadas em 452 dos 497 municípios do estado, destacando a magnitude da devastação e a urgência das ações de socorro e reconstrução. Enquanto isso, o Departamento Municipal de Limpeza Urbana (DMLU) enfrenta o desafio sem precedentes de remover 365 toneladas de resíduos das ruas, um reflexo tangível da dimensão dessa catástrofe.

Para mais informações, acesse meionews.com

Leia Mais


Participe de nossa comunidade no WhatsApp, clicando nesse link

Entre em nosso canal do Telegram, clique neste link

Baixe nosso app no Android, clique neste link

Baixe nosso app no Iphone, clique neste link


Tópicos
SEÇÕES