PF conclui que Adélio esfaqueou Bolsonaro sem mandantes e pede fim da investigação

Adélio está internado no presídio federal de Campo Grande desde o ocorrido

Avalie a matéria:
Montagem mostra Adélio Bispo de Oliveira e Jair Bolsonaro após ser esfaqueado | Montagem/MeioNews

A Polícia Federal reafirmou que Adélio Bispo de Oliveira foi o único responsável pelo ataque ao ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) durante a campanha presidencial em Juiz de Fora (MG) em 2018. Esta conclusão consta em um relatório finalizado após a reabertura das investigações para verificar a possível participação de outras pessoas no atentado ocorrido em 6 de outubro de 2018. A PF recomendou o arquivamento do inquérito, descartando qualquer envolvimento de terceiros. Adélio está internado no presídio federal de Campo Grande desde o ocorrido.

Imagem mostra posição de Adélio Bispo de Oliveira, no meio da multidão de apoiadores, antes de esfaquear Jair Bolsonaro - Foto: Reprodução

nova fase da investigação

Durante a nova fase da investigação, a PF cumpriu mandados de busca e apreensão, analisando equipamentos eletrônicos e documentos. Este processo foi realizado a pedido do Ministério Público Federal, que solicitou um relatório final. Agora, cabe à Justiça decidir se arquivará ou continuará com o inquérito policial. Em maio de 2020, a PF já havia concluído que Adélio agiu sozinho, sem identificar os mandantes do crime.

suposta ligação com o PCC

Paralelamente, a PF identificou uma suposta ligação de um dos advogados de Adélio com o Primeiro Comando da Capital (PCC). Apesar dessa conexão, os investigadores não encontraram nenhuma relação entre o crime organizado e o atentado contra Bolsonaro. "Comprovamos a vinculação desse advogado com o PCC, mas nenhuma ligação com a tentativa de homicídio do ex-presidente. Encerramos a investigação e apresentamos o relatório ao Poder Judiciário", afirmou o diretor-geral da PF, Andrei Rodrigues.

Imagem mostra Jair Bolsonaro sendo socorrido às pressas após ser esfaqueado por Adélio Bispo de Oliveira - Foto: Reprodução

quatro mandados de busca e apreensão

Nesta terça-feira (11), o advogado foi alvo da Operação Cafua, que investiga crimes de lavagem de dinheiro e organização criminosa em Minas Gerais. A ação cumpriu quatro mandados de busca e apreensão, suspendeu atividades de 24 estabelecimentos comerciais e bloqueou bens de 31 pessoas físicas e empresas, totalizando R$ 260 milhões. Segundo a investigação, os envolvidos lavavam dinheiro oriundo do tráfico de drogas e outros crimes.

Para mais informações, acesse meionews.com

Leia Mais


Participe de nossa comunidade no WhatsApp, clicando nesse link

Entre em nosso canal do Telegram, clique neste link

Baixe nosso app no Android, clique neste link

Baixe nosso app no Iphone, clique neste link


Veja Também
Tópicos
SEÇÕES